quarta-feira, 22 de abril de 2009

A noite

Que Deus me perdoe, quando reclamo, quando sem perceber fico achando a vida um saco, acho que queria ser uma personagem dos filmes, aqueles filmes que sempre tem um final feliz, aqueles filmes em que a mocinha e o mocinho sempre terminam juntos ou se separados, sempre de uma maneira extremamente doce. Acho que não nasci pra viver em uma realidade tão dura, tão vazia e cruel. Mas por vezes me pego na janela olhando para o céu, e lágrimas me vem aos olhos, eu amo a noite, as estrelas, o poder da lua, e me encanta, perceber que não estou só, tenho a lua e as estrelas como companhia, como confidente, como amigas. Minha janela é de frente para minha cama, dá pra deitar e ficar observando, pensar, refletir, chorar e pedir conselhos a lua. E ela é tão sincera e tão forte e sempre me diz:" Brilhe, mesmo que as pessoas nem te notem, brilhe sempre...Não se importe se outros te acham ofuscante demais, ou por vezes pálida, ou ainda dolorosamente só. Eu sou solitária em um céu infinitamente povoado e nem por isso derramo lágrimas, nem por isso me sinto amargurada e infeliz. Eu simplesmente brilho. " A lua, minha parceira da noite, minha amiga mais distante e sempre por perto, sempre ao alcance dos meus olhos... E a noite cai, doce noite que me traz sonhos, me traz fantasias, me traz alegrias, me traz o sono que acalenta minha dor, que alivia minha tristeza. Porque reclamar então?Porque não agradecer? Porque temos sempre a metódica e fatídica mania de reclamar, se ninguém está só, e se todos estamos absolutamente colididos e fundidos em uma só vida, recheada de tudo: Coisas boas, coisas ruins, coisas doces e amargas. Então deixe que a lua envolva você... Sinta seu brilho, sua doçura, sua candura, sua vida, seu cheiro, sim a lua tem cheiro. Pare , feche os olhos, respire fundo, sinta... Ela exala o perfume de todos os amantes e o perfume é doce, sensual, excitante, é tão bom... Eu as vezes me sinto só. Então me deito nos braços da lua e da minha cama ela me carrega, e eu posso alçar voo e ir pra onde sonho estar, ou nos braços do meu amor, ou em um campo florido cheio de colibris...Amo os colibris...estão sumindo, desaparecendo, assim como o perfume das flores que agora são tão artificiais . Então quando se sentir só, tão só que parece que quer sumir também, venha levo você até a lua. Me de a mão vamos fazer nossa história, vamos fazer nossa canção.
Sandra Botelho

Um comentário:

Paula disse...

Primeiramente:
Quanta saudade!! Já estava até pensando em mandar um recadinho para saber por que a minha escritora linda havia sumido por tanto tempo.
"Segundamente":
Me identifico tanto com você, ás vezes tenho a certeza de que eu nasci para viver em livros e filmes. Por que não sou da vida real. Real do jeito que vivemos hoje. Acho que é por isso que uma boa história mexe tanto comigo.
A noite sempre nos entende. è impressionante, e a lua sempre nos motiva.
Vivas constantes a essa escuridão profunda, ou rasa que nos inunda de conselhos, pensmentos, tristezas, ou alegrias.

Meu sereno amor

Meu pequeno pedação de sonho! Me leva pra passear? Por ai em qualquer canto, onde o sol me descanse do calor... Me lembra...