quinta-feira, 14 de janeiro de 2010

Alma vazia

Me debruço em doloridas sensações Minhas palavras já não me descrevem Nem meus raros e breves sonhos A sonhar se atrevem É noite, e na vazia escuridão Somente as trevas povoam minha alma Nesta doce e corrompedora calma Apenas o barulho do coração Então me levanto desassossegada Bafejo na janela e escrevo seu nome Mas com raiva e desesperada Do teu corpo tenho fome Meus pensamentos estão em confusão E em um grito de horror, me jogo Em medo e dor me afogo Debruçada em minha insana paixão Me visto de repulsivos trapos Concordemente com meu coração Que está destroçado e em farrapos E catatonica fico assim, sem ação! Um abismo se faz em mim Suspiros, dores e morte enfim Morro por tudo que não vivi E sufoco todo amor que há em mim. De negro se vestiu minhas emoções E na selva de meus pecados Enterro anseios, desejos e paixões E junto a tudo, em cova profunda Enterro sem lágrimas ,o meu coração! Sandra Botelho!

17 comentários:

Felina Mulher disse...

É minha linda, a noite parece não ter fim, o sono não vem.O jeito é fechar os olhos e rever o filme mental da festa que nunca deveria ter acabado.O teu poema é mt forte, alias, escreves divinamente bem...uma verdade cada palavra.Tenho meus mortos vivos, mas que agora ocupam um lugar quase esquecido na minha mente...e alguns poucos ainda me roubam suspiro de saudades que foram boas e nada mais.

Linda quinta!

HNETO disse...

(Re)vestir
as emoções,
os desejos,
os acasos.
Para ocultar,
omitir,
disfarçar,
nao se mostrar.
Mas está tudo à mostra.
Só não vê quem nao abre
olhos da alma.

SAULO PRADO disse...

A sua alma nunca estará vazia, pois, ela é cheia de poesia
E mesmo quando tudo parece dor
De sua mente nasce uma flor de amor...

Sei que as vezes pareço que estou longe, mais é que amigos as vezes se esconde... Mais eu sempre estive presente, me controlando para não comentar, mas hoje sua alma foi me buscar..

SANDRA REGINA disse...

OLA, TA SUMIDA DO NOSSO BLOG. APAREÇA VIU? EU SEMPRE VENHO AKI. BJAO E ATE LA EM CASA.

José disse...

Olá Sandra, que bom foi ter a tua visita, já sabes que é uma honra para mim receber alguém que escreve tão bem como tu, pois eu gosto muito dos teus poemas, és uma poetisa de se tirar o chapéu

um beijinho grande,
José

angela disse...

Que poema triste! Mais triste ainda é quando o coração escurece assim.
beijos

Elaine Barnes disse...

Bem,na noite de autógrafos do seu livro quero estar lá ao seu lado comemorando hein! E já lhe disse que quero aprender a escrever assim."Então me levanto desassossegada
Bafejo na janela e escrevo seu nome
Mas com raiva e desesperada
Do teu corpo tenho fome" Isso é lindo demais,um sentimento infantil,puro,ao mesmo tempo maduro na ira da frustração. Belíssimo. bjão

Daniel Savio disse...

Mas estas emoções acabam sendo para depurar o que nos faz sofrer, então, tente visualizar mais a frente...

Fique com Deus, menina Sandra Botelho.
Um abraço.

El Brujo disse...

Melancólico e apaixonado!
Ótimo fim de semana.

a magia da noite disse...

o amor pode retalhar-nos a alma, deixar-nos o coração em farrapos, mas nunca nos fará deixar de acreditar nos sentidos.

poetaeusou . . . disse...

*
uma alma cheia,
de sentimentos !
,
parabens,
,
conchinhas,
,
*

Everson Russo disse...

Entendo bem esses sentimentos, luto contra esse vazio da alma, essa intensa busca de uma verdade no amor que a gente nem sabe ao certo se existe....um beijo querida e um belo final de semana.

Ana Cristina Cattete Quevedo disse...

O amor pode ser chama que vive em nós, como combustivel para a alma, ou pode ser fogo que consome o espirito.

Eu cá gostaria muito de ter dicernimento para saber rechaçar o amor que me é nocivo. Mas caio sempre nas mesmas armadilhas.

Um dia chego lá!

Lindo poema!

Beijo

El Brujo disse...

sumiu, se aborreceu com o dueto?

Ótimo fim de semana!

Murilo Rafael disse...

Intenso como somente a poesia pode ser.

Saudações,
mR.

PERPLEXIDADE disse...

nossa Sandrinha, que lindo... que triste tb!!!

amei a profundidade das palavras e dos sentimentos!

;D

Juliana Lira disse...

Minha nossa!

Quanta dor entre essas palavras, lembrei do poeta Vinicius de Moraes, naquele poema que também musica:

..." Eu sei que você sabe que a distância não existe.Que todo grande amor, só é bem grande se for triste..."

E esse trecho:

..." Assim como o poeta só é bem grande se sofrer..."

Belo poetisa

Milhões de beijos