quarta-feira, 31 de março de 2010

Indagações

Por que não me escutas? Porque não me ouves? Porque se recusas a acreditar em mim? Porque preferes a dor da desconfiança? O que queres que eu faça? Que eu grite nas ruas nas praças e nas avenidas? Que eu me pinte de cores diferentes e coloridas? Que eu piche nos muros o seu nome e sobrenome? O que queres que eu faça? Que cerceia as ondas, e escreva em cada grão de areia o meu amor? Que eu tatue seu nome em cada uma das estrelas do firmamento? Que eu ande nua pela tua rua, tendo teu rosto tatuado em meu corpo? Que eu escreva milhões de poemas para você? O que queres para acreditares em mim? Posso fazer -te inúmeras canções e em todas elas falar de nossa paixão... Queres que eu lhe envie todas as flores de todas as cores? Me diga, o que queres para acreditar em mim? Queres que eu viaje até o sol e lhe traga um raio para iluminar teus dias? Ou que eu vá até a lua e lhe implore para nunca deixar de lhe fazer companhia? Ou que eu navegue por todos os mares cantando ao mundo o meu amor? O que queres que eu faça? Queres que eu seja a brisa que todos os dias lhe beija a face? Ou queres que lhe acorde com beijos onde estiverdes.? Queres que eu morra por ti? Ou queres que lhe eternize em cada pequeno pedaço de mim? Queres que eu lhe dê todo o ar que me rodeia? Que arranque o coração do meu peito e lhe presenteie?
Que eu me vista de luto e chore todos os dias Que colha minhas lágrimas em odres para lhe embebedar?
Queres que eu guarde em um baú cada pequeno sorriso e te presentei para alegrar o teu dia?
Que meus desejos te sufoquem e te matem de tanto prazer?
Me diga: Pois não sei mais como lhe provar. . Apenas me diga o que devo fazer, Para lhe provar que: NÃO SEI MAIS VIVER SEM VOCÊ! Sandra Botelho!

terça-feira, 30 de março de 2010

Apaixonados

Vamos desperdiçar nossas horas, Compor canções sem nenhuma afinação, Vamos brincar de ser crianças, Vamos nos emaranhar numa paixão! * Flutuar sobre os limites da razão... Deixar fluir toda emoção, Sem nos preocupar se estamos certos, Correr por mares, montanhas e desertos! * Vamos fazer uma canção de amor, Uma canção que jamais fale de dor, Saciar nosso desejo, de um beijo, Nos amar sempre em todo ensejo! * Vamos acordar dessa brincadeira, Sorrindo e falando besteira, Zombando dos que nos criticarem, Sentir que falam, por nos invejarem. * E quando a canção estiver pronta, Vamos cantá-la as multidões, E prontamente todos entenderão, O poder enlouquecedor de uma paixão!
Sandra Botelho!

domingo, 28 de março de 2010

Ré Confessa

Enlaça-me em teus doces toques, não me permita pensar em mais nada. Cerceie meus pensamentos. Me obrigue a mergulhar em teu corpo, Não me permita submergir. Prenda meu olhar em ti. Me aprisione... Sou ré confessa de meu crime. O crime de assassinar meus desejos e viver aprisionada aos teus... Quero o cárcere de teus abraços! As algemas de tuas mãos. Eu quero ser sua prisioneira por inteiro... Não me solte! Sinto frio e somente seu corpo pode me aquecer. Não me liberte de suas correntes e amarras, quero ser sua prisioneira. Seja meu mundo, seja meu universo. Me faça caber na palma de suas mãos! Brinque comigo, me vende, me amordace! Quero ser seu tudo, seu infinito céu, seu mar... Me prenda, me enlace em cordas e nós, mas não me deixe partir. E se acaso eu tentar, Me segure, forte, não me importo de sentir dor, não me deixe ir... Quero ser vassalo em seu reino, plebeia de teu reinado! Não tenho a pretensão de ser sua rainha, serei aquela a quem ama sem reservas... Sem cobranças e sem pudores... Serei sua em todos os momentos que seus olhos me desejarem. Grilhões não me penalizam, eu os quero, desde que me prendam a ti! E se acaso se cansares, de mim sempre ao teu lado... Deixe que seja sua sombra, estarei atrás de ti a te proteger do sol escaldante ou da chuva fria... Me permita um pequenino pedaço de ti... Me encarcere em seu corpo... Me deixe ser um segundo de seus pensamentos! Me renderei a todos os seus desejos e sonhos. E um dia ao acordar se acaso sentires a minha falta, estarei aqui, a te esperar, algemada aos teus passos, amarrada aos teus olhos. Sem exigir de ti razão, serei tua, quando quiser me encarcerar em seu coração. Me aprisione... Sandra Botelho!

sexta-feira, 26 de março de 2010

Um grito de amor

E a noite se fez silenciosa e surda... Uma daquelas noites sombrias, em que nem as estrelas se atrevem a brilhar no céu tamanha sua negritude. Uma noite de dor, dor pela partida, dor pela despedida. Ela correu até o porto, não podia parar. Sua chegada era sua esperança, não queria que partisse. Mas sua dor era porque queria se despedir sem magoas, sem rancor,e principalmente lhe dizer o que a tempos se negou a falar, e guardou em seu coração. Na noite lugubre e fria, seus cabelos voavam e a chuva fina molhava-os fazendo com que colassem em seu rosto, lhe turvando a visão, já tão embaçada pelas lagrimas. De longe, ela ouviu o navio dar seu grito de despedida, e sentiu uma dor tão pungente que lhe faltaram as forças , suas pernas não lhe obedeciam, não queria que ele partisse sem que ela pudesse lhe dizer o que ha muito ele quisera ouvir. Enlouquecida de dor buscou de volta suas forças e correu, mais desesperadamente que antes, arrancando de dentro de si forças que nem ela sabia que possuia. A chuva fina lhe feria a pele, aumentando sua dor... Finalmente conseguiu chegar ao porto, mas não conseguiu encontrá-lo... Ele havia partido, e o barco já se perdia em meio a uma nevoa negra, a mesma nevoa negra que tomava conta de seu coração. Ela se jogou de joelhos ao chão, e chorou lagrimas amargas. Nunca mais o veria, nunca mais sentiria o calor de suas mãos, nunca mais poderia tocar sua pele. Se o queria tanto porque não disse isso a ele? Por tantas vezes viu nos olhos dele um pedido desesperado de amor... Agora ele se fora, deixando para tras uma saudade imensa e uma dor sem limites. Ficaria ali jogada ao chão, não queria mais se levantar. Seu corpo estava ferido, encharcado e gelado. Gelado pela dor do remorso, pela sua covardia de não se entregar pelo medo da dor. Ele se fora, levou embora, sua alma, sua vida seus desejos e sonhos... Não conseguia conter as lagrimas. Subitamente lhe veio a mente o desejo covarde de se lançar ao mar, já não saberia mais viver sem o seu amor, sem aquele a quem ela entregara seu coração, mas nunca demonstrara isso a ele por medo da dor, por medo, por medo... Tudo isso invadia sua mente em um turbilhao de emoções sem controle. De repente sentiu em seu ombro um toque quente e terno... Reconheceu aquelas mãos, levantou seus olhos vermelhos e inchados de dor e pode perceber através da neblina o olhar mais lindo que havia visto. E pode ouvir uma voz que a deixou aquecida a dizer-lhe: " Nunca desistirei do seu amor. " Ele não havia partido, e naquela hora ela sentiu que a vida havia lhe dado mais uma chance ela poderia agora lhe dizer o que sempre teve medo de dizer. Sempre temeu o amor, nunca quis se entregar, mas não podia mais se esconder desse sentimento, ele já não lhe cabia mais no peito. Se levantou levada pelas mãos mais fortes que já havia tocado. Se pos de frente aqueles olhos que ela julgara nunca mais poder olhar, se abraçou aquele corpo que lhe aquecia não apenas o corpo mas toda a sua alma, e suavemente, lhe acariciou a face. Queria que aquele instante fosse eterno... Então ela olhou bem dentro daqueles olhos pequeninos e disse: Eu te amo! E assim o amor se fez pleno!
Sandra Botelho!

quarta-feira, 24 de março de 2010

Simplesmente...

Se quiser meu colo, deite-se em minha alma... Se desejar meus pensamentos, more em minha mente! Se quer que te cubra com meus beijos, aconchegue-se em meus lábios! Se quer meus todos desejos, more em meu corpo... Se quer que eu veja somente a ti, se desenhe em meu olhar. Se quer meu sorriso somente para você, seja minha alegria! Se quer minha voz, deixe que eu cante pra embalar teu sono. Se quer minhas lágrimas, me emocione... Se quer minhas caricias, entregue-se em minhas mãos. Se quer estar em meus sonhos, seja minha fantasia... Quer sarar minhas dores, seja meu balsamo benigno! Quer decifrar meus todos segredos,mergulhe em meus mistérios. Quer acordar ao meu lado, seja meu sol! Quer dormir comigo, seja meu ultimo pensamento. Quer me extasiar de paixão, seja meu suspiro, meu êxtase... Quer estar sempre em mim, seja meu ar... Quer descobrir meu corpo, seja meu banho. Quer me cobrir no frio, seja meu cobertor. Quer me proteger do medo, seja meu herói... Quer me encantar, seja simplicidade... Quer invadir meu castelo, seja meu Príncipe! Quer viver em minha alma, seja minha vida. Quer ser meu amor, simplesmente Me Ame! Sandra Botelho!

terça-feira, 23 de março de 2010

Um sonho de amor

Em sonhos, você vem me amar... Fecho os olhos e te sinto ao me tocar! Um cheiro de flor vem da maresia, E o vento traz o perfume que eu sentia. Um olhar que nunca me encontrou. Mas que em meu coração seu rosto desenhou! Posso sentir teu corpo em chama, Me grita sem pudor , nem drama. Me manda mensagens em Java... Que fazem de mim sua escrava! De longe consegue me enlouquecer, Hoje eu sonhei contigo ao amanhecer! Sinto saudades do meu doce amado, Dessa delicia que é ter você ao meu lado. Queria poder ouvir-te novamente, Sentir meu coração bater descompassadamente. Ouvir tua voz tão tímida e distante! Amar-te como se amam dois amantes. Mesmo longe sempre está presente, Me inebriando com seu jeito ardente. Aguçando meus sentidos e mente... Vivo me perdendo em doces pensamentos ! A relembrar nossos poucos momentos. Palavras ditas com todo o amor! Duvidas, mentiras, lágrimas e dor. Sei que tudo isso do amor faz parte, Mas sinto que agora é tarde. Que a paixão que em mim ainda mora, Á muito tempo você mandou embora. Sandra Botelho!

sexta-feira, 19 de março de 2010

Vida em letras

Escrevi a minha história em uma folha de papel, É uma história pequena, cheia de mel e de fel. Não é uma história de vitórias, e nem de derrotas, É uma história comum , mas fielmente exposta. Por varias vezes rasguei a pagina, Molhada vez ou outra por lágrimas. Também escrevi minhas lastimas, E minhas dores contava! Narrei todos os meus dias, dias de felicidade! Contei histórias de lágrimas , e de muita dor. Mas nela também coloquei, pequenas gotas de amor! Uma história de vida, coroada de simplicidade! Nesta folha resumi os amores que vivi... Uns nem chegaram a acontecer, Morreram antes de florescer, Outros, nunca conseguirei esquecer. Enquanto isso eu escrevo, Todos os meus dias e horas. Alguns escrevo em alto relevo. Outros escrevo e logo esqueço. Meu livro ainda não pude terminar, O fim ainda fiquei de contar. Pois o livro de nossa vida, Só termina quando a morte chegar. Sandra Botelho

terça-feira, 16 de março de 2010

Desencanto

Um dia me perdi em um sonho, Me envolvi em palavras de mel! E me deixei levar por inverdades, Sonhei alguém que me levaria ao céu. Vesti em meu corpo o sabor do amor... Retirei do teu corpo o meu calor, Senti de tua boca o doce sabor, E amei você com todo fervor! Tuas palavras eram balsamo benigno, Teu cheiro perfume que me embriagava... Teu olhar tudo que eu sonhava, E você era meu mundo, meu signo! De repente tudo se rompeu, Aquele amor que era puro se corrompeu. A injustiça que deixou uma ferida aberta, Fez da dor uma companhia certa. Uma acusação tão falsa e inconsequente, Vinda de um amor que era pra sempre. Transformou um coração apaixonado, Em um deserto infértil e ressecado. Sandra Botelho!

segunda-feira, 15 de março de 2010

Utopia

Quero uma estrada, longa calçada com pedrinhas brilhantes e magicas! Não uma estrada qualquer, mas uma que me leve por caminhos onde desejo andar. Por lugares que me envolvam e me façam sonhar, quero me deitar em pequenos espaços, me envolver em grandes abraços. Ah! Eu quero o luar, não o luar de todas as noites, mas aquele de todos os amantes, o luar que ilumina faces, que esconde segredos mistérios, que obscurece medos. Ah!... Eu quero um bosque encantado, desses de contos de fadas. Um bosque com flores, flores que enfeitem minha vida , nossa casa. Eu desejo dias... dias que me encham de alegria! Quero um riacho de águas claras , poder mergulhar nelas e lavar minha alma de todos os traumas ... Tudo que passou e que não tem mais valor. Ah! ...feche os olhos...você poderá ouvir, a nossa canção, lembra aquela que você tocava em seu velho violão? Ela está tocando,ouça... Me dê a mão quero dançar, é doce seu perfume... Assim de perto posso sentir o toque de seu coração, está acelerado, fique em silencio, vamos ouvi-lo. Venha me leve, vamos dançar pela casa, vamos festejar nosso amor. Ah !...Eu quero o sussurrar do vento, me trazendo versos e poemas Quero os pássaros a cantar, o bem -te- vi ,o sabiá... Quero dormir, quero sonhar, sonhos que me façam dormir sorrindo, e sonhar acordada. Eu quero você a sussurrar em meus ouvidos me fazendo rir, contando as velhas piadas das quais eu não me canso de achar graça. Quero seu colo , seu cafuné, eu quero a paz, a paz de poder dormir e acordar ao seu lado de vê-lo desarrumado e rir do seu cabelo... Desarrumar nossa cama, ouvir você dizer que me ama, e beijar meu sorriso, sem malícia , só beijar... Com todo carinho e amor que somente o verdadeiro amor tem. Quero a utopia dos sonhos, quero enlouquecer sonhando...e por todas as manhãs acordar te amando. E a felicidade se fará plena, e seremos comunhão, dois amantes, dois sonhadores, envolvidos em um sonho, um sonho de um dia sermos um só coração! Vamos sonhar?
Sandra Botelho!

sábado, 13 de março de 2010

Empatia ( A sua dor no meu coração)

Coisas nos acontecem, que esmagam o coração, deixam-nos sem ação. Nos deixamos cair em algum canto, em alguma cama, e não temos forças nem sequer para raciocinar direito. Nos permitindo somente o choro. E as lágrimas caem, sem serem contidas, com a força da dor que há em nosso coração. Estou assim: Como se tivessem me tirado o ar, sufocada, machucada, dolorida, ferida. Sinto tanto por tantas pessoas, me sinto tão profundamente pequena perto de tantas dores, inclusive da minha. Queria poder correr, abraçar quem está sofrendo, dizer-lhe que vai passar, e que pode contar comigo. Mas sinto meus braços pequenos para o abraço, sinto minhas palavras, tão sem sentido, sem expressão, sem amplitude. Olhar nos olhos de quem sente dor, seja qual for a dor, e simplesmente poder lhe sorrir, e com um beijo, lhe prometer que não vai mais sofrer. Não tenho poder para isso, sou tão pequena em possibilidades,. As vezes me sinto como um barquinho de papel, lançada ao rio.Frágil, sendo levado...Sem aspirações de chegar ao mar. Minha tristeza é por uma dor que não é minha, porque se fosse minha eu a choraria toda e esperaria o tempo vir como remédio. Minha dor é por você( você sabe ). Que não está bem, que sofre, e já a um bom tempo, as dores do corpo, sinto-te tão frágil, como um cristal, que tem que ser tocado com tanta doçura e cuidado. Choro pela sua dor meu amigo. Mas mesmo diante da minha pequenez, saiba que farei tudo que puder para lhe ver bem. E creio que logo estará entre nós novamente, sorrindo, falando coisas doces, nos iluminando como o sol. Quando você não está, é como se o dia não raiasse. Como se as flores de tristeza, não se abrissem, como se os pássaros se calassem. Sinto que o dia esta nublado e acanhado, triste diante da tua ausência e da tua dor. Mando-te meu carinho e a mais profunda amizade em forma de uma brisa, que levemente te tocará a face e te fará sentir paz,. A paz de saber que tua amiga está aqui, a pensar em ti, a torcer por ti, e a te esperar. Mesmo que para um breve "oi" Sinta meu afago em sua alma. Mando-te o sol, e flores perfumadas para lhe encher os olhos. Mando-te também uma linda canção, para aquietar teu coração. Breve será o regresso do nosso menino -sol. Sandra Botelho!

sexta-feira, 12 de março de 2010

Um dia ...Bem distante!

Um dia não terei o mesmo sorriso,
Meus passos andarão mais lentamente,
Meus olhos não serão os mesmos, seu brilho estará nublado, como névoas.
Um dia minhas mãos não serão tão macias,
Minha pele não terá mais o mesmo viço,
mesmo que eu nunca me descuide.
Um dia talvez até a vaidade partirá,
e eu ficarei sem o espelho que me acompanha a todo lado.
Talvez não consiga mais gargalhar , como gosto de fazer hoje.
Talvez não toque mais meus pés com as mãos,
e nem dance como amo dançar.
Um dia não farei mais amor,
não serei mais sedutora,
andarei pela rua e ganharei olhares de carinho e de ternura,
e não mais olhares de desejo.
Talvez nem me olhem, talvez sintam pena dos meus passos lentos,
do meu olhar sem brilho,
dos meus cabelos brancos!
Um dia, não pularei mais o muro, do quintal ao lado para roubar frutas.
Não ralarei o joelho, por cair tanto como caio,
Não me queimarei tanto, por ser tão descuidada.
Não poderei comer mais comida apimentada e bem temperada como gosto .
Um dia não me levantarei da cama de um salto,
sem precisar me apoiar em nada,
não andarei pelas ruas pulando as calçadas rsrsrs, riem de mim por isso.
Um dia não terei mais a coragem que tenho...
Não terei mas a força na garganta para gritar na janela,
quando estiver entediada.
Um dia meus sonhos não viverão mais,
Não poderei mais parecer uma criança grande,
Terei que ser mais sensata,
mais coerente, mais madura.
Um dia minha vida terá que mudar...
Um dia não me vestirei mais de cor,
tudo será mais discreto e sóbrio.
Não vou escolher a lingerie para o amor,
apenas me contentarei em não sentir dor
Um dia...Um dia...Um diaaaaaaaaa!!!!!
Mas enquanto esse dia não chega,
eu quero mais é subir em árvores,
correr pela chuva,
mexer com os outros na janela
junto com meu filho e me esconder,
me vestir para o amor,
ser sensual,
ser desejada,
ser sedutora,
me olhar no espelho
, fazer caretas,
me maquiar,
usar saltos finos e enormes,
Dançar muito,
cantar muito também,
amar e amar...
E quando a velhice chegar...
Ser uma velhinha bem moderninha!
Porem me orgulhar de cada ruga,
de cada marca,
certa de que foram marcas de uma vida bem vivida.
Me olhar no espelho da vida e sorrir,
de mim para mim e por mim.
Não quero ser uma boneca de cera,
quero assumir minha velhice com dignidade e verdade.
E nunca ...Jamais morrer antes da hora.
Sandra Botelho!

quinta-feira, 11 de março de 2010

Á Deriva

Ando sem rumo como um barco a deriva,
Escancarando meu coração como uma canção,
Jogada ao vento, em um grito devastador. Um grito de amor , não de dor.
Teimoso ,meu corpo ainda te deseja,
Ele nunca me obedece...
Sinto teu hálito quente em minha nuca,
Quando entra em meu quarto enquanto durmo.
E se me lembro de seus toques,
A solidão sai pelos ventos...
Quero as mãos de um doce amado.
A desvendar os meus mistérios,
A caminhar pelas montanhas,
A delirar em meus braços,
A mergulhar em minhas vontades.
Devorando minhas carnes e
E me permitindo suas loucuras.
Quero o mar como testemunha,
A molhar nosso desejo...
Vindo para mim junto com as ondas
A vontade louca de teu beijo.
Quero teu corpo, quero você! Preciso de um porto, De um ancoradouro, Me deite em teu corpo, Me deixe ancorar em você? Seja minha bússola, Meu leme... Seja meu amor? Sandra Botelho!

quarta-feira, 10 de março de 2010

Quando você não está...

Quando você está distante, Meu coração fica carente. Chamo teu nome em lamento, Não te esqueço um só momento! Quando te ouço ao telefone, Fechos os olhos e lhe vejo. Nessas horas tenho fome, Do teu corpo, do teu beijo! Poucos dias se passaram, Mas são anos para mim! Para os que sempre se amaram, A saudade não tem fim. O peito dói e a lágrima rola, Uma dorzinha que amola! A cama é grande e gelada. Vem dormir com sua amada! Vem fazer amor comigo! Me beijar ao amanhecer, A distancia é um castigo, Pra mim que não vivo sem você! Poder dormir em seu peito, Fazer do teu corpo meu leito! Sentir tua respiração, e as batidas do teu coração. Ver seu sorriso ao acordar, olhando pra mim com seu doce olhar. E me dizendo com todo carinho que para sempre, irá me amar. Sandra Botelho!

segunda-feira, 8 de março de 2010

Naufrágio

A noite chegou em dores e sombras, O sono não vem e as horas me ferem. A mente desenha pedaços de dor, e a alma derrama lágrimas de horror. Meu rosto não tem mais o brilho nos olhos, Nem se levantam para olhar o azul do céu Da boca o sorriso, fugiu sem voltar. restou apenas o gosto de fel. A vontade de vida o corpo esqueceu perdeu, e a coragem que ardia a lágrima emudeceu. Os sonhos morreram a cada ferida, e nem as flores enfeitam minha vida. As estrelas caem sobre meus ombros, Toda paz se desfaz em escombros. E o céu em negro se faz tempestade Tirando de mim, o que resta de felicidade. Meu corpo dolorido não quer mais a cama. A cama vazia, sem o calor de quem ama. As mãos sem coragem secam lágrimas insanas Que descem pela face e o coração inflama. Meu rosto disforme de tanto pranto e dor Não quer mais se pintar, se olhar... Cobri os espelhos de negra escuridão Pintei o passado, e as dores que aqui estão Fiz deles uma tela e emoldurei meu coração. Agora não tenho mais o sol, é negro o meu dia. E chove em meu corpo, em lágrimas derramadas Incontidas, por uma vida devastada e sofrida. Teci um casulo, e nele me fechei. Diferente da lagarta,nunca mais me transformarei, me despedi da esperança, deitei em minha alma a descrença E simplesmente chorei!
Sandra Botelho!

domingo, 7 de março de 2010

Apenas mulher

Sou mulher, intensa e incoerente, Não me sinto forte nem carente! Sou apenas o que minha alma sente, E esta bem sei que não me mente! Sou virgula onde deveria ser ponto. As minhas desventuras sempre conto, Nas minhas mãos não há segredo, E desta vida não sigo o enredo. Me calo somente se quero. Não dou amor se não for sincero! Sou mulher e gosto de sê-lo. Deus nos fez com sublime zelo! Sinto o choro e choro... Um carinho se quero, até imploro, Mas um amor jamais ignoro. Me encaixo, me entrego, adoro! Pinto o rosto pra beleza, Poder mostrar com mais leveza! Me cubro com roupas belas. Só pra te enfeitiçar com elas. Sou doce como chocolate, Como ele, as vezes amargo. Sou vicio que mal não tem, Mas que pode matar também. Não quero a beleza como escudo, Nem a sensualidade como poder; Quero meu coração como espada, E minha alma para ser amada! E nesta procura do amor supremo, Procuro, meu príncipe eterno. Um amor que não seja efémero, Um momento que seja terno! Mulher sem limites para o amor, Sem medo nenhum da dor. Pois a dor o tempo cura, E o amor é minha clausura! Se vim ao mundo para o amor, Bem sei que minha sina se cumpriu. Pois do amor eu tenho sede, E de amar nada me impede. Sigo assim vida afora... Nesta busca sem fim agora. Buscando alguém que saiba amar, Amar sem nada me cobrar! E amo mesmo sem esperança, Porque sei que amar sem nada esperar, Amar com a verdade de uma criança, É a mais verdadeira forma de amar! Sandra Botelho!
Á todas nós mulheres.

sexta-feira, 5 de março de 2010

Quando te tenho em meus sonhos

Me debruço na janela e fico a te esperar,
Não posso ver além do que o meu olhar pode enxergar,
Não posso nem ao menos te ouvir cantar, me chamar!
Mas se fecho os meus olhos ,eu posso até lhe tocar...
Tocar seu rosto, de traços finos e coerentes.
Deslizar minha imaginação, por sua mente,
Quase em um transe, eu viajo em você;
Posso toca-lo sem nem ao menos lhe ter!
Sua boca pequena, sua pele clara,
Sua doce harmonia em uma beleza rara!
Seu sorriso eu imagino que seja coeso,
Deixando em teus lábios meu olhar preso.
Suas mãos são pequenas e fortes.
Algumas cicatrizes de pequenos cortes,
E algumas dores de algumas mortes.
Mas tudo em você tira meu norte!
Nossas diferenças são tão gritantes.
Nossos gênios absolutamente diferentes.
Você forte coeso e constante,
Eu frágil , insegura e carente!
Posso sentir seu perfume bem perto...
Respiro fundo e o absorvo por completo!
Tem um cheiro doce de jasmim ,
Quero esse cheiro impregnado em mim.
Abro os olhos, e vejo você na montanha.
E de surpresa te olhando, me apanha,
Então entra pela janela e lentamente me assanha,
Se aninha em minha cama, e a noite toda me ama.
Entregues a esse tão esperado amor,
Somos dois alucinados, apaixonados...
Buscando a eternidade de uma paixão,
Sucumbindo aos apelos do corpo e do coração.
Ao amanhecer a cama está vazia,
Tateando te procuro e me sinto sozinha!
Sinto que só me resta esperar,
Olhar para as montanhas ,
Fechar os olhos e voltar a sonhar...
Sandra Botelho!

quinta-feira, 4 de março de 2010

Deitada em teu corpo

Deitada em teu corpo... Sou fogo, sou água, sou ribeirão que em ti desagua. Deitada em teu corpo... Sou mistério, sou segredo, me abro sem nenhum medo. Deitada em teu corpo... Me derramo, me afogo, em seus braços me jogo. Deitada em teu corpo... Sou menina sou mulher, sou quem você quiser. Deitada em teu corpo... Sou santa, sou devassa, sou vinho em sua taça. Deitada em teu corpo... Sou temporal, sou furacão, sou real, ou ilusão. Deitada em teu corpo... Sou caricia, sou desejo, te arranho, te bato e te beijo. Deitada em teu corpo... mergulho, me entranho te enlouqueço e te assanho Deitada em teu corpo... Sou sedução e paixão, me incendeio, fico sem ação. Deitada em teu corpo... Eu perco os sentidos, suspiro e gemo em teus ouvidos. Deitada em teu corpo sou eterno prazer sou infinito querer Deitada em teu corpo... sou cio, sou fêmea.. ou somente sua alma gémea. Deitada em teu corpo... Vibro e me declaro, grito e me escancaro. Deitada em teu corpo... sou casta, sou pura, ou uma mulher sem censura. Deitada em teu corpo... invado tua mente , satisfaço teus desejos, puros ou dementes. Deitada em teu corpo... Aporto e navego, sacio e alimento teu ego. Deitada em teu corpo... Faço de você meu suave pouso, e quando todo nosso querer for saciado Encontrarei em teu corpo meu merecido repouso.
Sandra Botelho
Sandra Botelho!

terça-feira, 2 de março de 2010

Nas Asas da Coruja, Meu Aconchego se tornou Um Mar de Sonhos, Onde descobrimos a Força e a Beleza de Ser Mulher

Do outro lado do metrô eu vi um sorriso que iluminou tudo. Foi fácil sentir que era Ela. A Coruja de Asas abertas, me acolhendo de forma tão deliciosamente carinhosa. No aconchego de seu ninho eu me senti em casa, Ela me fez sentir assim, seu carinho é contagiante. Vista pelos olhos de quem nos ama, sempre somos lindas. E ela me fez me sentir assim... Sua sinceridade sempre me encantou, mas pessoalmente , Eu pude ver a guerreira em forma de mulher, amiga, terna e carinhosa. Nos proporcionou um domingo magico Logo depois chega Maria Bonfá, dona de um Mar de Sonhos Uma mulher extremamente serena, que fala com a calma e a suavidade da brisa.
Sentimentos a flor da pele, e capaz de amar com uma intensidade enorme. Alguém de olhos cor do mar...E coração de terna afeição Geisa, chega mais tarde, nos mostrando a Força e a Beleza de ser Mulher. E com toda energia já nos abraça e diz: Somos reais...Rsrsrrs! Amei essa mulher...Forte, grande, poderosa, mas ao mesmo tempo, doce, capaz de ouvir, aconselhar, e absorver com ternura nossas dores...
Nosso almoço, foi delicioso, a dieta se foi.
Elaine nossa corujinha nos preparou uma comidinha temperada com carinho e muito amor... Nos empanturramos, e depois um brigadeiro dos deuses... Eu que já amo chocolate, comi a morrer. Então chega a doce e sensata filha a Corujinha, Michele, e o lindo e fofo Davi, que delicia pegar um bebe no colo, quanto tempo eu não tinha essa sensação maravilhosa. E o Davi é especial! Tambem ,sendo neto de quem é. Não preciso dizer mais nada.
Quando ainda o corpo absorvia o almoço, lá vem a corujinha com um lanche recheado de coisas boas. Hum!
Nem preciso dizer o tanto que comi.Meu Deus. eu falava, amanha não posso comer nada. Alem disso tudo, ela ainda nos fez levar para casa, um pouquinho dessas delicias.Covardia! Já que ela é tão magrinha e pode comer a vontade. Foi um dia inesquecivel, que vai se repetir em breve e eu espero que agora seja aqui em Poços de Caldas,no Meu Aconchego. Amiga querida, obrigado pelo carinho. pela compreensão. por me ouvir, por me aconselhar, por me abrir os olhos, por me fazer enxergar o meu valor. Obrigado por você permitir que eu faça parte de sua vida. E nunca permita que eu saia dela. Amo você e tudo que você já representa em minha vida. Geisa e Maria...Vocês são pessoas especiais, e estarão sempre em meu coração. Amigas e cada vez mais amigas
Agora REAIS.Esses dois lindos são os companheiros de minha amiga Elaine.
Flick e o gatinho. Sandra Botelho

Meu sereno amor

Meu pequeno pedação de sonho! Me leva pra passear? Por ai em qualquer canto, onde o sol me descanse do calor... Me lembra...