segunda-feira, 30 de março de 2015

Obstinada



Em meu peito arde o dia
queima a noite feito melodia
Enquanto chora a vida feito canção
solto aos ares a mais pura emoção
molho os meus labios o mel
na gota fina que cai do céu
e escorre das mãos os dias
os risos, que para mim, rias
No coração o silencio frio
com a brisa fresca me inebrio
Ha luzes clareando a noite
em meu peito a escuridão feito açoite
Mas me dispo a cada amanhecer
e me permito simplesmente florescer
Não sou rocha não sou nada
sou apenas a insistencia da agua
Sandra Gonçalves

Meu sereno amor

Meu pequeno pedação de sonho! Me leva pra passear? Por ai em qualquer canto, onde o sol me descanse do calor... Me lembra...