quinta-feira, 29 de julho de 2010

Dilacerada

Noite lugubre e fria, ensandecida por pensamentos sombrios, canto uma canção de desespero.
Não consigo desligar-me de soturnos pensamentos que desfiladeiro abaixo me desmoronam.
No desfiar de pequenas tramas sou insensata, inconformada e rude;
Me perco entre dores e sorrisos,e o sono frágil é meu desertor
Duvidas temores e dores, vagas recordações do sol, vagos sentimentos incontidos e impenetráveis,
me tranco, me impeço de sentir .
Inexoráveis são meus sentimentos, inexplicáveis minhas indagações,
sob a lua morta me despejo em pranto, e nesse canto insano me envolvo
em um roto cobertor.
Não quero o frio a me congelar a alegria,
não quero mais cupins a me saborear o espirito.
Vermes deformam meu sentir, e estraçalham minhas carnes
que terrivelmente dóem, se decompõe...
vivem em putrefação minhas ilusões.
Entre grades e cadeias estou aprisionada.
Busco em meu negro amor uma fresta para a luz.
Escancaro a minha dor em pranto e finalmente me faço pó,
me espalho viajando sobriamente por todos os mundos.
Mundos realistas, ilusórios e infinitos...
Mas não me encontro em nenhum deles, me perdi.
E perdida de mim mesma , não me encontro.
Sou invisivel aos meus próprios olhos e motivações.
Busco desesperadamente me livrar de meus fantasmas, mas
eles gargalham de mim, riem cinicamente de minha fraqueza.
É dia e o sol não veio...somente uma chuva a me assombrar, raios, trovões
e meu corpo se dissipa, meus pensamentos se emaranham e tudo
tudo é tão indefinivel, tão indescritivel, tão esmagador.
Me encolho, de pavor me encolho... E de dor me recolho a simplesmente...Existir.
Sandra Botelho

terça-feira, 27 de julho de 2010

O Futuro da Humanidade

Marco Polo estava boquiaberto com as revelações de Falcão sobre o poeta da vida.
Relatou que ele sabia transformar as coisas simples num espetáculo aos seus olhos.
Fazia da aurora um momento de meditação.
Considerava o orvalho da manha, como pérolas anônimas que por instantes aparecem e logo se dissipam, mas só os sensíveis as percebem;
despedia-se da lua como quem se despede de uma amiga.
Era apaixonado pela vida , e pelo Autor da existência...
...Relatou ainda que o Poeta da vida era um grande critico do sistema social.Dizia que na sociedade
havia muitas pessoas tentando conquistar o mundo exterior, mas não o seu mundo interior.
Elas compravam bajuladores, mas não amigos: roupas de grife, mas não o conforto.
Colocavam trancas nas portas, mas não tinham proteção emocional.
"Mendigam o pão da tranqüilidade"."Estão piores do que nós meus amigos"...
...Ele gostava de proclamar que ricos são os que extraem muito do pouco, e que livres, os que perdem o medo de ser o que são".Somos ricos e livres"
Gostava de falar aos miseráveis das ruas, tentando consolá-los.Alguns não entendiam suas palavras, mas ainda assim ele não deixava de dizê-las...
Eu e o poeta comentávamos que não há pessoas isentas de sofrimento... O que há são pessoas menos encarceradas que outras.Todos somos reféns de algum período do passado.
...mais sábios que os homens são os pássaros.
Enfrentam as tempestades noturnas, tombam de seus ninhos, sofrem perdas, dilaceram suas histórias. Pela manhã, tem todos os motivos para se entristecer e reclamar, mas cantam agradecendo a Deus por mais um dia.
E vocês, portadores de nobres inteligências, que fazem com suas perdas?
Trechos do livro: O Futuro da Humanidade
Autor: Augusto Cury
&&&&&&
Mais que um livro, um grito ao nosso coração
e á nossa alma.
Um livro que está me fazendo repensar muitas coisas.
Transgredir algumas e aceitar outras.
Me olhar de dentro para fora e reformular minhas atitudes e conceitos.
Um livro que indico a todos que vivem buscando sempre o crescimento emocional.
Sandra Botelho
Musica linda para este post.

domingo, 25 de julho de 2010

Ardente


Seus olhos me ardem o coração,
Desatinos de amor e paixão...
Danço para ti envolvida em chamas,
E sinto que em mim se derramas...

Tiro os pés do chão a flutuar,
Nessa doce loucura de lhe amar...
E nessa dança louca e insana,
Meu corpo inteiro por ti reclama!

Danço para ti e incendeio seus desejos,
Minha dança é a procura de teus beijos!
Meu corpo envolvido em uma sensual canção,
faz de meus gestos pura sedução!

É para te enlouquecer que danço,
Somente para teus olhos me lanço.
E nesta deliciosa aventura de seduzir...
Com meu corpo e olhar, quero te inibir.!

Te deixar sem jeito e inflamado,
Envergonhado, timido e bem assanhado!
Dançar me oferecendo ao seu instinto,
Queimar-te com o calor que por ti sinto!

Vestida de vermelho e de paixão,
Vou te enlouquecer de sedução
Levar-te comigo pela mão,
Amar-te , devorar-te no salão!

Escandalizados todos partirão,
Ficaremos sozinhos no salão.
E as labaredas de nossos corpos ardentes...
Incendiarão alma,. coração e mentes!

Sandra Botelho




P.S : Desculpem a simplicidade das palavras...
É só assim que sei escrever e descrever o que sinto.
♥♥♥


quinta-feira, 22 de julho de 2010

Te amo

Não me olhe com estes olhos frios,
Assim gela-me o corpo...
Não me toque sem vontade,
Porque rouba de mim o ar...
Não me ame sem paixão,
Não sei me doar se não for por inteiro!
Não saia sem me beijar
A falta de teu beijo ,seca-me a boca...
Não sorria pra mim um riso falso,
Porque me deixar assim tão triste?
Não cale o meu amor...
Impondo ao meu coração um doloroso silencio!
Não me deixe só na nossa cama
Quer me matar de solidão?
Peço-te de joelhos ao pé da lua,
Me queime com o fogo do teu olhar,
Assim, serei brasa...
Me toque com infinito desejo e volúpia
Para você ,serei gana e gula,
Me beije a cada manhã com um beijo insano,
Serei mel pra tua boca.
Me encante com seu maior e melhor sorriso,
Seremos gargalhadas ao amanhecer!
Deixe que eu grite o meu amor,ao mundo todo.
Pois só assim...
serei sua...
Deite-se ao meu lado.
Serei seu melhor sonho!
Simplesmente seja meu e serei tua.
Porque te amo!
Sandra Botelho
Música para esse post:

segunda-feira, 19 de julho de 2010

Blogagem coletiva Auto Estima e o Feminino

Existem dias em que agente se olha no espelho e vê que os olhos já não tem mais o mesmo brilho...
Sente nas profundezas da alma que aquela cachoeira efusiva de emoções por algum motivo anda calada e serena...
Pensa estar somente passando por uma fase de tristezas e preâmbulos meio amargurados.
Mas de repente percebe que o rosto já mostra sinais de cansaço.
Que as mãos já não tem mais a mesma leveza. Que o bailar do nosso corpo não é tão delicado como era anos antes...
Que o tempo passou, e que agora de repente acordamos com quarenta anos
E dai?
Certa amiga minha, me disse um dia..."Dizem que a vida começa aos quarenta, mas só se for a vida médica."
E eu hoje posso dizer que a vida começa aos quarenta, mas não a vida médica. A verdadeira vida.
Hoje sou mais mulher, hoje consigo me debruçar na janela e não achar que estou perdendo tempo, nem que todas as atenções do mundo deveriam estar sobre mim, sobre a minha dor... Mas perceber que estou aprendendo, que estou observando cada pessoa, e sei que cada uma delas é uma vida diferente, que carrega emoções diferentes e com a qual eu posso aprender muito mais.
Hoje posso admirar a juventude sem achar que ela não mora mais em mim. Mas com a plena convicção de que serei jovem o tempo que quiser.
Não me sinto velha, me sinto madura...As rugas ainda não vieram, mas quando chegarem eu as receberei e a cada uma darei um nome diferente.
Por certo chamarei a todas de maturidade.
E em cada uma morará minha verdade...
Aos quarenta anos, não me incomoda mais se me olham na rua, se reparam quando minha gargalhada sôa mais alto, se falo num tom amigável ou não, se curtem as musicas que gosto, se lêem o que escrevo com carinho ou não...Aos quarenta anos gargalho quando estou feliz, choro quando acho que devo chorar, ouço as musicas dos anos oitenta e curto de montão(como diz a garotada) Também curto as musicas que meu filho ouve.Ele me obriga!
Hoje me amo mais, me respeito mais, me admiro mais...
Hoje não me violento em prol de ninguém, não me cerceio a liberdade de ser o que sou.
Não forço um sorriso, para que pareça feliz á quem está ao meu lado.
Hoje sou transparente...
Abocanhei os livros e deles retirei uma sabedoria que me move e me comove: E o nome disso é simplicidade.
Minha auto estima nunca foi elevada...Não é muito ainda...
Mas aprendi que gostar de mim é o primeiro passo para que me amem. E quem não gosta de ser amada?
Hoje me cuido mais, cuido de meus cabelos, afogueados...Como a dona deles...
Gosto de cada pequeno cuidado e faço isso com delicadeza e muito amor.
Como é bom depois de me cuidar olhar no espelho e dizer...
Não é que estou bonita!!!!!!
Hoje a vida se faz mais clara, mais simples, mais singela. Já não tenho grandes ideais, não quero ser atriz da globo, nem a cantora mais famosa do Brasil, não quero ser uma modelo magérrima, nem a melhor escritora dos nossos tempos.
Quero ser aprendiz, quero atuar na vida com dignidade e honestidade, quero cantar com minha voz desafinada, mesmo que todos tapem os ouvidos, quero dançar quando me der vontade sem me importar se toca tango e eu danço samba...Eu quero é me amar, quero ser livre de preconceitos e conceitos.
comer uma caixa de bombons sem me sentir culpada e ficar medindo milimetros que ganhei...melhor ser gostosa que ser magrela...
Afinal quem disse que homem gosta de osso?
Eu quero ser o que um amigo uma vez me disse que eu era.: Força da natureza!
Livre, mas não livre de sentimentos, livre de amarras, amarras que me deixam sem a beleza de viver plenamente cada segundo
Quero aos poucos levantar minha auto estima, porque ser mulher é se dar importância, é saber o quanto é maravilhoso se amar...
É se valorizar como uma jóia delicada e rara.
Um dia eu gritarei aos ventos, que eu pude viver cada momento, me amando, me respeitando, e me resignando a somente ser feliz!.

 






Sandra veste : Elaine

Blogagem do Blog. Diários de Bordo da Aleska


Musica do texto


sexta-feira, 16 de julho de 2010

Blogagem coletiva -Tempos de criança

Blogagem coletiva em comemoração aos dois anos do Blog É o menino homen?
Tempos de Criança
Tempos de criança!
Balançar na balança!
Nunca perder a esperança...
Dar as mãos e brincar de roda
Parar e pular corda...
Brincar de pique esconde,
correr sem saber pra onde!
Vendar os olhos cobra cega,
e ir ver quem pega.
Pular o muro pra pegar a bola,
esconder pra não ir a escola!
Descer a ladeira de trole,
criança não há quem controle...
Fugir pra nadar na cachoeira,
deixar a mãe sem eira nem beira.
Não gostar de escovar os dentes,
nem tomar a sopa quente!
Sentar no colinho ouvir historias...
Sonhar com outras trajetórias!
Na hora errada dar gargalhadas
e até levar umas boas palmadas!
Tempo de criança salada mista,
disso não há quem desista;
Roubar frutas no quintal do vizinho,
correr e perder a metade no caminho...
Tempo de esperança criança,
tempo que a vista ainda alcança!
Tempo que nunca vai acabar
se no coração da gente,
a infancia se perpetuar...
♥♥Sandra Botelho♥♥
O meu amigo Daniel fez uma linda homenagem a mim no Blog dele,
Dêem uma passadinha por lá!
Ficarei feliz.
Bjos!

terça-feira, 13 de julho de 2010

Sereníssima


Sonha menina triste
Pelos caminhos que andou
Deixe de lado a melancolia
Daquele amor que antes sorria

Arranque pra fora os laços
Não acolha mais os embaraços
Seus pés livres querem saltar
E desvendar um novo caminhar

Chora menina sonhadora
De tudo que veio e que fora
Desabrocha em muitas flores
E cante ao mundo suas dores

Grita menina mulher
Faça da vida somente o que quer
Deixe os cabelos em desalinho
E se aconchegue em qualquer ninho

Dança menina bailarina
Aproveite o que a vida ensina
Cada passo tem um compasso
Deixa de amarrar a dor com laço

E se um dia ao acordar
E de todas as flores desabrochar
Vai se lembrar que de todo amor
Não colhestes somente dor

Foge menina prisioneira
Vem ver a vida do lado de fora
Do outro lado da grade
Está te esperando  a felicidade

Grita, sonha ,canta e dança
Navegue até onde a vista alcança
Do mar imenso veja o fundo
Se jogue a todos os mundos

Conte ao mundo sua verdade
Deixe esse torpor de insanidade
Seja insana felicidade
Sonhando seja serenidade...

E quando acordares um dia
E estiveres nos braços do amor
Verás o quão importante foi
Não teres sucumbido a tua dor.

Sandra Botelho

segunda-feira, 12 de julho de 2010

Um presente imenso




Hoje acordei com a firme convicção que estava na hora de parar com o blog.
Talvez por andar mesmo sem inspiração, ou por não estar tendo o tempo necessário para visitar os meus amigos com a atenção que merecem.
Mas quando abri meu Blog, o primeiro comentário era esse do meu querido e doce amigo Pleiba.
Então pensei: Como abrir mão de tanto carinho?
Como sair desse espaço tão aconchegante, em que tantos são tão especiais...?
Não posso. Não quero e não vou.
Posso não escrever com a maestria dos intelectuais, mas aqui derramo minha alma, meu coração.
E se no meu coração as letras e as palavras não são as mais cultas. Certamente são as mais sinceras , as mais puras.
E é assim que vou continuar escrevendo, com o coração na ponta dos dedos.
Porque é assim que essas pessoas maravilhosas e doces estão comigo a mais de um ano.
Amo vocês demais mesmo.
PLEIBA você é um presente mais que especial. 
Muito obrigado pelo carinho!


domingo, 11 de julho de 2010

Essa moça...

Ela embala todas as ocasiões,
mesmo no silencio, nós podemos ouvi-la ou imaginá-la e até senti-la,
está nos som dos riachos a se desviar de pequenas pedras,
No canto doce dos pássaros ao amanhecer.
Em um assobio dado a esmo andando pela estrada.
Ela esta em pequenos ruídos, está em absolutamente tudo.
Embala os dias , as noites, embala os sonhos, embala as alegrias e também as tristezas.
Envolve todos os amantes, ela é a própria emoção dos amantes.
Ela está sempre por ai, em muitas bocas e em muitos ouvidos.
Vem ao pensamento em horas não esperadas e nos faz sentir saudades...
Saudades de um tempo que não voltará jamais.
Ela pode nos causar dor imensa ou alegria intensa.
Ela é mágica, consegue trazer uma lágrima ao olhar em minutos.
Faz-nos imaginar... a mente vagar...
Viajar para algum lugar muito distante, ou apenas se aconchegar em algum canto e ficar em silêncio se envolvendo...
Faz de nosso corpo seu escravo, e o leva-o , como quer, controla seus movimentos hipnotiza suas mentes.
E em um bailado enlouquecido, nos detém como refém.
Onde ela está, não há somente tristeza e saudades,
Ela transforma pessoas em folhas secas em dia de outono.
É pura inspiração para os amantes.
É sensual quando o momento é assim,
É meditação, quando a alma clama por paz.
É amor quando o coração transborda de emoção de paixão.
É doçura quando os rostos sorriem e o olhar é doce
É vida e encanta embala, fascina, domina, apaixona, marca, escraviza...
É conselheira, é encantadora, é suave, ou explosiva...
Infinita, ela enfeitiça, transforma ...
Fala por cada um de nós, desata nós, diminui distancias...
Indiferente do gostar, não há quem não a ame.
A Musica essa mulher radiante, apaixonante, que rouba a cena,
que infiltra em pequenos espaços, que envolve o amor.
a Vida , a morte, a dor , a sorte.
Tão absurdamente grandiosa, que pode ser facilmente, ao universo comparada.
Porta-voz do amor.
Bálsamo benigno da dor.
Eterna...Infinita.
AH! Essa moça!

Sandra Botelho

sábado, 10 de julho de 2010

Êxodo

O sol brilha lá fora e me cobro sair, ver o mundo!
Olho os papéis na mesa e quero digitar,
Amarelaram... Histórias que não terminei.
Quero sair e ver o mundo sem priorizar.
O tempo passa a revelia...E as aparências também.
A coragem e a covardia caminham juntas;
Feijão e sonho não, cada um tem sua função;
Um é pé e outro coração.
Sem letargia desperto em mim,
Metade quer se perder,
A outra quer se encontrar.
A imperfeição impera. Aonde quero estar?
Se o mar abrisse queria atravessar!
Se você está tão longe, quero te buscar!
Trazer-te pra minha realidade e te amar.
Minha carência não é só de receber,
É de oferecer; abraçar, me entregar.
Tenho saciedade e nessa parte um descarte;
Não ter um alguém pra ofertar meu carinho.
É claro que tenho amigos pela cidade,
Vou distribuindo mimos, recebendo amizade...
Minh’alma sorri com tanto afeto.
Aprendi a conviver comigo e gosto sim.
Mas o tempo passa e as cores do arco,
São apenas simulacros sem íris.
O mar não se abriu pra eu te encontrar.
Minha história continua sem fim,
Sem você no meio pra terminar.
O sol brilha lá fora amarelado.
Meu coração não tem a quem amar.
Metade de mim se perdeu nos papéis,
A outra ainda foi sorrindo te buscar!
Este poema é da Elaine Barnes.
Ela fez e me deu de presente.
Dizendo que se adequa a mim.
É incrível como ela consegue definir minha essência.
Por isso é tão minha amiga.
Sandra Botelho

Meu sereno amor

Meu pequeno pedação de sonho! Me leva pra passear? Por ai em qualquer canto, onde o sol me descanse do calor... Me lembra...