domingo, 31 de janeiro de 2010

Tudo que eu queria...

Queria ser o beijo que você tanta deseja Queria ser o toque pelo qual você anseia O perfume que teu corpo incendeia Queria ser o sucesso que você tanto almeja Ser a simplicidade de um amanhecer Queria ser a nuvem que protege você Do sol escaldante que teima em te aquecer Ser o luar clareando teu caminho ao escurecer Queria ser aquela que tira a solidão Que preenche teu vazio coração A alegria que devolve ao teu olhar o brilho Ser o toque forte a lhe tirar do trilho A mão amiga, que te faz emergir A força abundante que te impulsiona a seguir A sempre ir em frente e jamais desistir Queria ser boba só pra te fazer sorrir Queria refrescar seu corpo como o vento Ser de tuas dores o doce e desejado alento Queria voar, para sempre estar ao seu lado Mostrar-lhe sempre como é bom ser amado Queria arrancar meu coração E colocá-lo inteiro em sua mão Queria que minha paixão transbordasse Para que do meu amor nunca duvidasse Queria ser um anjo para lhe proteger Jamais deixar você chorar Nunca permitir que pudesse sofrer Queria estar ao teu lado ao acordar Mas sou somente uma mulher Talvez aquela que você nem quer Mas queria ser a mais querida Aquela que lhe devolveria a luz da vida. Sandra Botelho!

sábado, 30 de janeiro de 2010

Gosto

Gosto quando sorri pra mim Com essa sua carinha de levado Querendo de mim comer um bocado Gosto quando me olha assim Quando me beija docemente E faz carinha de moleque carente Faz beicinho e diz que tá saudade Gosto desse gosto doce e sem maldade Gosto quando me olha cheio de desejo E por toda minha pele sinto teus beijos Gosto quando jogamos o colchão no chão Somente para ninguém ouvir nossa paixão Gosto de cada toque, de cada beijo De todo amor e todo lampejo Gosto quando inventa brincadeiras E quando no meu ouvido cochicha besteiras Gosto quando me diz que meu corpo te assanha Que sou linda e que minha boca te ganha Gosto quando me morde os lábios devagar Enquanto isso baixinho você diz me amar Gosto quando visto a camisola vermelha E desfilo pra ti feito menina faceira Me mostro mulher pra te enfeitiçar E você vem louco a me agarrar Gosto de inventar coisas loucas Fantasiar com sua boca... Por em pratica em nossa cama Todas as fantasias de quem se ama Gosto de me desnudar para você Te enlouquecer, te acender Gosto quando me abraça forte E diz que jamais vai me perder Gosto de ser tua, inteiramente nua Fazer amor... Amar a luz da lua... Gosto do seu gosto de homem apaixonado Gosto que seja sempre meu doce namorado. Sandra Botelho!

sexta-feira, 29 de janeiro de 2010

E o poeta chorou...

E o poeta fala de amor,
Uma brisa leve toca meu rosto... Me traz de volta o sublime e doce gosto, gosto de amor , gosto de flor, traga-me o meu arrogante e ácido medo da dor, Me faz ver de novo, seu doce sorriso enquanto acontece o amor, o desejo ,a me inebriar de perfumes insensatos, por todos desprezados e esquecidos... Me faz ver que é assim a grande loucura de amar, de deixar seguir, de ir buscar e nunca conseguir. Egoísta e tenso é um sentimento imenso. Sem rumo, sem ar, o contexto efêmero de amar... Dividir sem doar, e deixar que tudo siga o mar... Voltar sem caminhar, sempre estático enfiado em algum lugar, e assim seguir o inconstante medo de parar, derrubar muralhas se preciso for, não mover um dedo pra se livrar da dor, essa dor delicia, que rasga e corroí, mas que nunca destrói por completo A dor e o desejo de ser infinito e reto. Esse sentimento inconstante, medíocre, louco,doente. Sem piedade, dividido em migalhas, sem doações, nem canalhas ou absolutamente repleto. O amor tão falado ,escancarado ,tão desprezado, esquecido, odiado. Voltar atrás de um sonho , pode fazer humilhado o homem, dividi-lo em temerário, idiota imbecil, fadado ao riso, á descrença, esse mutilado amor. Criam-se dogmas literários para explicar esse cenário, mas a vida gentil e curta faz disso tudo pura amotinagem de sutís guerreiros temerários. E avida segue e a guerra cresce, e o corpo esfria e o coração morre. Finda-se a arte do poeta, escrever o amor em belas letras, esse amor que de belo se fez dor e chagas. E de tudo que restou...Da brisa e do perfume doce, e do desejo, fez-se o pranto e o desespero e o medo e a desgraça de nunca mais ter o mesmo beijo, Falar de amor é mesmo assim ... sem novidade , sem renascimento, apenas repetir e repetir. Felizes os que são felizes por assim o terem. Infelizes os que se fazem felizes por nunca o terem tido. E o poeta se cala... Quando percebe que do amor não se fala E ele que se sentia um mestre em falar do amor Mas aos poucos pode perceber E nesta descoberta ele chora e sente dor E para a vida pede perdão Sempre soube escrever o amor Esqueceu apenas que para defini-lo É preciso senti-lo em seu coração. E o poeta chorou... Sandra Botelho!

quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

Sinfonia dos amantes


Suas caricias são melodias cantadas por tuas mãos Não apenas as sinto, mas posso ouvi-las vibrando nos meus ouvidos, gemidos e sussurros de uma cantiga de amar! Fecho os olhos enquanto sinto cada toque. Cada caricia, docemente composta. Como compositor dedilhando no violão, uma doce e sensual canção. Vibrando as cordas de um violão afinado com suas mãos... Me olhas em êxtase, e seus olhos derramados em ternura, como sonatas tocadas em noite de luar... Suspiros , ternos, calorosos e provocantes, Notas desenhadas em uma partitura de amor, Que se propagam no ar, indo morar no coração dos amantes. Me envolvo nesta canção tão sensualmente tocada, me sinto tocada! Os sons desse amor, hora graves, hora agudos, Fazem com que sua frequência seja propagada em intervalos infinitos... Nossas mãos , como notas desenhadas em nossos corpos, Por caricias, desejos, anseios, loucuras,toques, beijos , delírios... Compõem nossa sinfonia, a sinfonia da paixão! Juntamos nossos livros de musica... E nestas partituras, somos clave de sol a iluminar a alma e a tocar o coração! Somos uma canção censurada, mas por todos tocada,desejada. Espalhando-se em cada quarto, em cada varanda, em cada canto onde o amor fizer morada... Uma canção de dois amantes, afinados na arte do amor. Unimos nossos instrumentos, e eles se completam e se tocam e nesta magia que é o amor e o prazer, somos maestros dessa sinfonia de suspiros , gemidos e gritos... E faz-se o êxtase... em tons e semitons, em graves, em agudos, em bemóis e sustenidos graciosamente formando o que somos... Somos a canção que fazemos em suaves e doces notas de tentação e prazer. Somos a harmonia, e a melodia! Somos MÚSICA! SandraBotelho!

segunda-feira, 25 de janeiro de 2010

Meu Pequeno mundo

Já me embriaguei de sorrisos, me despenquei de muralhas, Escalei montanhas íngremes. Já me senti leve como o ar, mas as vezes sinto o peso do mundo nos ombros. Andei com todos os tipos de pessoas, me entendi com algumas e com outras nunca me encontrei. Eu já fui muito enganada, por quem amava. Traída por amigos queridos e desleais. Desprezada e expulsa por meus próprios pais, Que nem meus pais eram, porque os verdadeiros a morte levou bem cedo. Me deixando no mar da vida a deriva... Já fui separada de quem amava e reencontrei mais tarde, Mas o amor é concebido pela convivência Irmãos ou não...O amor se perdeu na separação. Já me reencontrei em um amor, me perdi de novo em muita dor. Já cometi erros , já magoei quem não merecia, mas também já fui muito magoada. Já fui inconsequente, mas sempre assumi meus erros como meus, sem por a culpa nas falhas dos outros. Eu me jogo no amor, sou apaixonada e pronto. Amo com todas as minhas forças e sofro as vezes por amar assim mas é o amor que mantém viva. Sou sensível demais, me magoo, com facilidade, mas esqueço mais facilmente ainda. Sou uma leoa para defender quem amo, e defendo com unhas e dentes e garras e tudo mais. As vezes sou chata, exijo dos outros o mesmo carinho , atenção e amor que dou a eles. Bobagem, cada um ama a seu modo. Sou extremamente feliz, mas as vezes velhas dores me machucam, e nessas horas... Eu fiz algo para me proteger... Eu criei um mundo paralelo para mim, nele eu sou tudo que gosto, nele me protejo da dor... Nele sou fada, sou anjo, sou guerreira, sou menina e sou mulher. Sou ave, sou fera, sou o que meu coração e mente quiserem. Nele eu não sofro, mas deposito minhas dores, como se faz quando se chega em casa com a bolsa, e deixamos ela em algum lugar. É o meu mundo! desenhei ele das cores que gosto, pendurei nas paredes inúmeras fotografias, em todas eu estou sorrindo... Aqui quero alegria e sorrisos sinceros...
Também tem sempre uma musica tocando, musicas que eu mais gosto... Musicas que traduzem o que eu sinto no momento, no dia, musicas que cantam a minha alma.
Alguns amigos me visitam, somente aqueles que realmente gostam de mim e de ouvir minhas histórias e devaneios... Alguns vem todos os dias...E são muito bem vindos! A porta do meu mundo está aberta para todos... Muitos me deixam presentes, que eu coloco sempre expostos, de tão orgulhosa que fico. Mesmo os que me criticam,criticam de forma tão suave que nem me machucam. Eu vivo em dois mundos. Sou feliz nos dois, mas no meu mundo eu posso viver todas as aventuras que me vem a mente. Posso voar, pelos mares, pelas montanhas, cantar para a lua, sorrir para o sol. Navegar...Navegar...por todos os oceanos. Gosto de ficar no meu mundo e se pudesse moraria sempre nele. Dei um nome bem gostoso a ele...Justamente para acolher todos os que me visitam... Meu Aconchego! Sejam bem vindos sempre! Ao meu mundo! Onde moram os meus sonhos e fantasias! Sandra Botelho!

Uma visão de encher os olhos e o coração

Eu precisava dividir com vocês esta visão maravilhosa... Foi a visão que tive logo ao acordar, abri minha janela e as montanhas estavam assim, como enormes sorvetes cobertos com chantily... A foto não dá a dimensão da beleza das montanhas... As arvores estão de um verde intenso, cobrindo as montanhas como se fossem um manto de veludo. Contrastando com o verde, o céu de um azul infinito, e as nuvens por sobre as montanhas parecem terem sido colocadas lá com as mãos... Hoje o dia vai ser mais bonito... O meu e o de todos vocês, é o que lhes desejo do fundo de minha alma... Um beijo doce para todos vocês meus amores! Sandra Botelho!

sábado, 23 de janeiro de 2010

Degusta-me

Eu quero derrapar nas curvas do teu corpo
Desenhar em você todos os meus gostos Ser peça chave nesse seu jogo Esfriar meu corpo em brasa e fogo
Decifra-me sou enigmática Sem ar, em tuas mãos fico estática Me tira o chão, essa arrasadora paixão Me entrego, com você, sou vulcão Em ondas de calor e frio Me entrego, fico por um fio Te arranho ,em seu corpo me entranho Com minhas mãos te assanho! Decifra-me sou mistério Sou o oposto do sério Junte as peças deste quebra cabeça Das suas vontades, a que sou avessa Venha me beber em taça fina Descubra a mulher e a menina Venha sem medo e com vontade Revelo-te toda minha maldade Vou me derramar em taças de cristal Beba, sorvendo minha essência Arranque de mim um resto de inocência Prove deste vinho que é real... Descubra então meus todos segredos Entregue-se sem nenhum medo Venha , decifre meu corpo e coração E deixe que eu te mate de paixão Sandra Botelho!

quinta-feira, 21 de janeiro de 2010

Desamparo

Estranho como existem dias que agente se sente tão absurdamente só. Como se não houvesse no mundo alguém pra quem ligar, alguém por quem perguntar, Como se em todos os meus dias não tivesse conseguido cativar ninguém, Perguntas me vem a mente: Será que não fui boa o suficiente, será que não fiz minha parte quando me pediram meu ombro, Mas nunca neguei meu colo, nunca deixei lágrimas rolarem se eu tivesse condições de conte-las. Nunca neguei um sorriso. Por onde andam todas as pessoas que passaram por minha vida, porque me deixam tão só, quando mais preciso de um colo? A chuva cai lá fora e faz minha tristeza ser tão maior, porque o sol disfarça a dor. Acho que sempre acham que não preciso de ajuda, de colo ,de atenção, porque estou sempre sorrindo, sempre dizendo que está tudo bem, quando me perguntam. Quando o meu coração está machucado e tudo que sinto é vontade de chorar. Mas a vida me fez ser assim, minhas dores são tão minhas, que as encubro com meus sorrisos. Mas também sofro, e também preciso de um cafuné, de um carinho ,de um sorriso, de alguém pra me dar colo e me dizer que me ama, que sou importante. Alguém que seque minhas lágrimas... Não sou fortaleza, as vezes desmorono, e meus cacos precisam tanto de alguém para me ajudar a junta-los. Estou triste... Chorando, mas não tem ninguém aqui, ninguém pra me dar a mão e me dizer que tudo vai passar, que vou ficar bem amanha, que a vida é assim mesmo, e que Deus vai cuidar de mim. A vida me privou de tanta coisa... E eu venci, chorei muito. Fui tão ferida, mas venci... Sei que estou sendo fraca hoje, mas as vezes as forças me faltam, e por mais que eu queira sorrir, não consigo... Talvez um dia as coisas mudem e a chuva cesse, e o sol volte a brilhar, mas hoje está difícil vislumbrar o horizonte ensolarado. Preciso me recompor... Mas antes vou chorar todas as minhas lágrimas ,por tanto tempo contidas. E amanhã há de haver sol. Sandra Botelho!

terça-feira, 19 de janeiro de 2010

Pedacinhos de Mim

Sou a musica que eu canto Entre sorrisos e prantos Sou a dança, sensual e mansa Que de olhar nunca se cansa Sou aguia que voa para se esconder me escondo para me refazer Eu sou a duvida que te confunde Sou corpo que ao teu se funde Sou o vento que revira seus cabelos Sou a doce sensação de prazer que eriça seus pelos Eu sou o sal que salga a vida A gostosura de uma doce lambida Sou frações de sentimentos Mas posso ser plena em meus momentos Sou entrega inocente e total mas sei me desviar do que é mal Vivo e padeço com meu sonhar mas me recupero ao acordar Gosto de me dar por inteiro Renasço a cada Janeiro Não sou boa, nem sou má. Sou alguém que ainda sabe amar. Não me contenho na tristeza Choro, diante da dor, do amor e da beleza Sou totalmente sentimentos Gosto de eternizar os meus momentos Eu sou o pensamento mais breve Ou aquele pensar a que ninguém se atreve, Sou o corpo tremulo de desejo Ou a sutil delicadeza de um beijo Sou o coração que acelerava quando meu amor me esperava Eu sou o mistério que está no ar Nunca saberei me decifrar Enigmas de amor em noite escura Sei ser tambem sua cura Sou pegadas deixadas na areia Tarantula emaranhada em uma teia me encontro e volto a me perder Sou tudo que a vida me deixa ser E quando a paixão fecha o cerco, Ai então é que me perco Quer me encontrar? Estou no vento, no mar... Em cada fragmento de amor que ainda restar... Pode me ver nos suspiros ou nos sorrisos, Se procurar com atenção, Posso estar em seu coração! Sandra Botelho!

Nostalgia

Que saudade do meu piano! Onde eu tocava meus sonhos, De tocar minhas canções. De por nelas minhas emoções. Saudade do som que enchia a sala! De tocar com exaustão cada escala, Saudade da suavidade das notas. Retirada de partituras rotas! Saudade até da professora Victoria Que batia em minhas mãos, Se eu não estudava uma escala. Saudade daquela canção! Ela me chamava de rebelde, Porque eu tocava o que ouvia. Então em gritos ela dizia: Que nunca ,uma grande pianista eu seria. Não queria ser grande nem famosa. Queria tocar minhas musicas. Inebriar-me com o que gostava! Tocar com as notas que eu desenhava! Mas a vida me fez parar. E outras notas fui tocar. Notas que não formam uma canção. Apenas fazem chorar o coração! Hoje meus dedos endureceram. Acho que não toco nem mais uma nota. Mas quando vejo um piano num canto, Meus coração se enche de encanto! Porque não tocar no violão? Ou quem sabe o teclado? Nem o violão , nem o teclado, Fazem com que meu sonho, Seja um sonho alado... Que saudade do meu piano... Sandra Botelho!

domingo, 17 de janeiro de 2010

Vento, Mar, Luar

Labaredas te aquecem, incendeiam. Com a alma em brasa e o corpo em chamas... Sei que me observa , me deseja. Teus todos sentidos me rodeiam. Vem no vento, vem no ar, vem no luar! Vem no doce sabor do vinho tinto, Que brindamos, estendidos, Em uma toalha na areia do mar. Beijos espalhados pelo corpo, Fazem da minha alma teu porto! Já não resisto aos teus apelos, de tatuar em mim teu selo. Vamos dormir e sonhar! Pois somente em nossos sonhos, Tudo vai se realizar. O amor tão desejado, Acontecendo a beira mar... Então inebriados de tanto nos amar, Vamos caminhar pela areia. Mergulhará no mar, tua sereia! Mas voltará para te amar. Já é hora de partir Vou, mas voltarei a ti Porque ainda vou cobrar A paz que prometeu me dar Sandra Botelho!

sexta-feira, 15 de janeiro de 2010

Tormentos da noite

Em espasmos acordei Com o próprio grito que dei A escuridão me rodeava E o temor me tomava A camisola toda encharcada Meu corpo trêmulo gelava A vista ainda embaralhada Dificultava os passos que dava Em desespero iluminei o quarto As paredes me fitavam em silencio Um silencio que ensurdecia Enquanto meu corpo tremia Queria correr, mas não pude Meu lençol me abraçou de um jeito rude Com todas as minhas forças me livrei E para fora da casa caminhei O desespero desfigurava minha face E eu usava a escuridão como disfarce As flores em coral gargalhavam E os pássaros sobre mim revoavam Corri, sem rumo, nem direção Seria insanidade, teria perdido a razão? Desvairada, e cegada pelas lagrimas que caiam Deixava meus pés seguirem por onde queriam Os sons da noite me davam medo De repente num abismo mergulhei Senti um toque suave em meu rosto E num abraço quente me enrosquei Um lobo surgiu na escuridão E com seu corpo quente, Aqueceu meu coração E em meio a imensidão da floresta Meu coração ficou em festa Devagar o medo foi embora E minha alma já não chora A solidão não me enlouquece Pois seu corpo agora me aquece. Não sei se era lobo ou homem Aquele que surgiu na escuridão, Porem em seus abraços despertei Do sonho ruim que sonhei... Sandra Botelho!

quinta-feira, 14 de janeiro de 2010

Alma vazia

Me debruço em doloridas sensações Minhas palavras já não me descrevem Nem meus raros e breves sonhos A sonhar se atrevem É noite, e na vazia escuridão Somente as trevas povoam minha alma Nesta doce e corrompedora calma Apenas o barulho do coração Então me levanto desassossegada Bafejo na janela e escrevo seu nome Mas com raiva e desesperada Do teu corpo tenho fome Meus pensamentos estão em confusão E em um grito de horror, me jogo Em medo e dor me afogo Debruçada em minha insana paixão Me visto de repulsivos trapos Concordemente com meu coração Que está destroçado e em farrapos E catatonica fico assim, sem ação! Um abismo se faz em mim Suspiros, dores e morte enfim Morro por tudo que não vivi E sufoco todo amor que há em mim. De negro se vestiu minhas emoções E na selva de meus pecados Enterro anseios, desejos e paixões E junto a tudo, em cova profunda Enterro sem lágrimas ,o meu coração! Sandra Botelho!

quarta-feira, 13 de janeiro de 2010

Rosa morta

E a chuva cai com furia intensa A ventania, balança arvores imensas Um barulho morbido vem do chão Um ensurdecedor som do trovão Perplexa corro, vou a janela Procurando aquela flor tão bela Que antes estava em meu jardim Porem a chuva, já havia ditado o seu fim E caida ao chão quase sem vida A flor lutava contra a chuva, destemida Tentando arrastar consigo cada parte Numa tentativa desesperada e contida E com barulho e estardalhaços A malvada chuva a fazia em pedaços Corri então, pelo temporal Para tentar livrá-la do mal Porem o dia se fez noite E a claridade escuridão A rosa estava em pedaços E a chuva apagou meus passos Me perdi naquele naufragio Descobri então o quanto sou fragil Não consegui enfrentar o temporal Nem salvar a rosa do seu destino mal Na roseira outra flor nasceu Tão ou mais bela que a flor que morreu Mas em meu coração nenhum amor brotou A chuva todos os meus sonhos arrastou. Caminho hoje de cabeça baixa Em meu coração nada se encaixa A chuva molha meus olhos todo dia E meu sorriso, se perdeu na ventania... Alinhar ao centroSandra Botelho!

Plenitude

Queria beijar todas as bocas, me embrulhar em todos os lençóis, me desenhar em todos os muros, andar em todos os caminhos, me deliciar em todo mel, sofrer todas as dores, viver todos os amores, me despedaçar em todos os finais, e acontecer em todos os começos, me embriagar em todas as bebidas, viajar em todas as drogas, conhecer todas as cidades, inebriar-me em todos os desejos, fechar todos os olhos de prazer ou de dor, queria ser cidadã de todos os mundos, acariciar todos os corpos, enveredar em todos os becos , receber todos os chamegos, queria ser mulher e menina, queria todas as loucuras, todos os homens e meninos, gritar todos os gritos, gemer todos os gemidos me molhar em todas as águas, e me encharcar de prazer em todas as camas, Queria me deitar debaixo de todos os lençóis, queria acordar em todas as casas, comer todas as comidas , falar todas as línguas, e morde-las também. Queria dançar todas as musicas, cantar todas as canções, compor todos os refrões, queria ser todas as notas, Queria voar em todas as direções, e pousar em todos os pousos, queria ser vida, em todas as vidas e quero morrer todas as mortes. Queria perdoar todos os erros, elogiar todos os acertos, Dançar em todos os palcos, sonhar todos os sonhos, queria ser fêmea em todos os cios, agua em todos os rios, me molhar em todas as chuvas e me secar em toda toalha. Queria ter todos os corpos, ser de todas as raças, sorrir de toda graça e chorar de toda tristeza queria ser todas as amantes ser todos os casais, e suspirar todos os ais. Queria escalar todas as montanhas, mergulhar em todos os rios ser todas as lendas e histórias queria ser inesquecível, Queria ser insubstituível queria toda a paz, todo sono doce e embriagado, quero o meu corpo nu e ensolarado doce e amargo,desejado e odiado. Quero ser eu. Sem apelos, nem limites. Sem laços nem cadeias, sem dor e sem magoas,
Quero a vida, intensa e absolutamente minha.
Sandra Botelho
Repostagem: Ando sem inspiração!

terça-feira, 12 de janeiro de 2010

Lobo?

Na noite gelada a lua brilha Ocultando na negra floresta O olhar incandescente do ser da noite Que anda ocultando sua trilha Não deixa rastros nem pegadas Esconde-se da claridade Anda em bandos ou solitário? Ninguem conhece sua verdade Vive simplesmente para o prazer Penetra nas almas sem pudor Mas quase nunca sente amor Ninguem, sabe quem é este ser Não se ouve seu uivo Tampouco sua respiração Seu codinome Lobo Qual será sua aspiração? Pelas matas ele caminha, observando, Se escondendo, se esquivando Porque se esconde atrás de um bicho Para continuar conquistando? Seria realmente ele um bruxo Se carrega o bem ou o mal Somente ele vai responder Cada um é, aquilo que quer ser Em cada palavra que escreve Inumeras outras transcreve Algumas entendo claramente Outras me pertubam a mente E nessa confusão de palavras Vou me encaixando em seus escritos Quem será esse Lobo Homem Seria um anjo ou um Lobisomem? Sandra Botelho!

segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

Inesquecivel

Inesquecivel São caricias recebidas no meio de uma caminhada, é o leve toque no rosto depois do amor, é o beijo roubado que me deixa sem ação, são palavras lindas ditas quando eu menos esperava mas amo ouvir. São suas mãos tirando meu cabelo do rosto e os segurando , para que não te atrapalhem a ver meu rosto, enquanto fazemos amor. Inesquecivel... são seus olhos pequeninos, me olhando como se eu fosse uma deusa, são suas mãos deslizando por meu corpo nu, tão devagarinho que me fazem sonhar... Inesquecivel É acordar e ver o sol batendo na janela pedindo pra entrar e mesmo assim ficar ao seu lado deitados, a sonhar... Inesquecivel É navegar em seu corpo sem pressa para aportar, é seu cheiro de vento, seu gosto de menta. Inesquecivel É correr pela casa brincar com você, e deixar que você ache que ganhou... É gritar quando as forças falham, e ver você morrer de vergonha... Passear de mãos dadas, dando risada de tudo, como dois bobos. É devorarmos uma bacia de pipoca sem remorso enquanto assistimos um filme... Inesquecivel é ver você me olhando a cada cena triste, esperando a hora das lágrimas caírem... Sou eu a segurar as lágrimas, mas sem conseguir conte-las, sorrir enquanto elas caem, enquanto você ri de mim. Inesquecivel é sentar na barraquinha da feira e comer pamonhas juntos Sujar as mãos ,a boca, como duas crianças... É tampar seus olhos quando quer ver alguma mulher bonita na TV. E fingir ter ciumes, só pra você me dizer que sou mais bonita que ela. É fazer o mesmo só pra te deixar enciumado. Inesquecivel é deitar em seu ombro depois do amor e dormir com suas caricias em meus cabelos... Inesquecivel é chorar em seus braços e sentir seu afago. É abraçar-te com força quando a desesperança vem E enche-lo de coragem, dizendo que amanha tudo será melhor. Inesquecivel é nossa canção... Aquela que mandamos um para o outro e ouvimos juntos. Lembra? Inesquecivel... É cada conquista por menor que seja. Inesquecivel é o nosso amor... Inesquecivel é você... Inesquecivel somos nós dois juntos e para sempre apaixonados! Sandra Botelho!

sábado, 9 de janeiro de 2010

Sentimentos Opostos

Foi quando eu chorava que você chegou Quando eu mais sofria que você me consolou Como se teu coração tivesse sentido a minha dor Como se o vento tivesse gritado por teu amor Chegou sem dizer nada e entrou na minha vida Chegou e devagar esta curando minhas feridas Não me pediu licença nem por favor Simplesmente de longe sentiu minha dor Me faz dar gostosas gargalhadas Me enche de paz e alegria Me conta suas viagens, e aventuras E eu só lhe conto minhas amarguras Mas me ouve com tanto carinho Retira do meu coração os espinhos Se cala quando eu me calo, E com atenção me ouve se falo Como um anjo apaixonado, Ele está agora ao meu lado Não me cobra amor, nem atenção Apenas doa pra mim seu coração É sempre todo carinho e afeto É para mim como um suave abrigo Um aconchego , um firme teto É mais que um grande amigo Choro em um ombro apaixonado Me perdoe se firo você amigo Sei que para você é como castigo Amar assim, sem ser amado Agora a ferida ainda está aberta E a porta do meu coração trancada Minha alma está em alerta Ainda estou apaixonada. Se o tempo cura as feridas Nessas idas e vindas da vida Posso um dia por ti me apaixonar Estaria disposto a me esperar? Sandra Botelho!

sexta-feira, 8 de janeiro de 2010

Meu sonho real

Já não estás nos meus sonhos, Já acordei daquele dormir. E posso dizer com sinceridade, não és sonho és realidade! Já não fantasio nosso amor, De fantasiar já me cansei, Deixaste de ser fantasia Para ser amor que sempre sonhei. Já não acordo te desejando, Porque já não durmo mais sozinha. Hoje sacias meus desejos, e dormes na cama minha! Já não imagino ouvir tua voz. Hoje ela é pra mim canção, Uma canção vinda de dentro, e ouvida de perto com o coração. Já não estás mais tão distante, Estas diante de mim... Rasguei todas as fotografias, Porque agora tu estás aqui. Já não sonho com teus olhares, Hoje são para mim raios solares, Que ofuscam minha visão com amor, e me aquecem com seu calor! Já não imagino mais seus beijos, Eu os tenho em minha boca. Os desejava como louca, Agora sacias meus desejos. Hoje já não és fantasia, Não és sonho, nem distancia, Hoje és realidade, presença, Hoje sua presença é constancia. Hoje conheço tuas vontades, Tuas carências e defeitos. Amo cada pedaço de ti, Até os que ainda não vi. Já não estás nos meus rascunhos Porque deles tu não fazes parte, Escrevi de próprio punho, Que não és rascunho, és obra de arte! Sandra Botelho!

quinta-feira, 7 de janeiro de 2010

Simplicidade

Quero amanhecer ao seu lado, Acordar mais cedo, preparar seu banho, Arrumar suas roupas, para trabalhar, E chamar-te depois para levantar. Vou preparar-te o café da manhã, Com pão quentinho e o bolo que adora. Vou sentar ao teu lado e olha-lo comer, E com meu olhar carinhoso lhe envolver. Vou levá-lo até o portão, Entregar em suas mãos meu coração. E antes que chegue á cidade, Já estarei morrendo de saudade. Cuidarei da nossa casa com carinho. Vou cuidar da horta e do jardim. Colher flores e enfeitar a casa inteira, Fazer-te uma comidinha mineira. E quando vier almoçar, Estarei sorrindo a lhe esperar. Depois do almoço abraçadinhos, Vamos repousar em nosso ninho! Mas a sua hora de ir chegará , E você ao trabalho retornará. Então enquanto espero ansiosa você voltar. Vou consertar suas camisas e suas roupas lavar. E quando a noite for chegar, Vou me preparar para te encontrar. Em um banho gostoso, vou me perfumar, Estarei linda, e prepararei nosso jantar Com um abraço de saudade te acolherei. E juntos vamos comer nosso alimento, E fazer deste modesto momento, Um momento de puro contentamento. Juntos iremos olhar as estrelas, E fantasiar um futuro de certezas. Faremos planos para o futuro. Planos para um amor tão puro. E quando o sono chegar... Em felicidade iremos deitar. Com um beijo começaremos a nos amar, e em um sono delicioso, Iremos um com o outro sonhar! Contradizendo a todo aquele que diz: Que é difícil ser feliz... Mostraremos ao mundo, Que basta amor e simplicidade, Para se encontrar a felicidade! Sandra Botelho!

terça-feira, 5 de janeiro de 2010

Desejos...

Quando a noite lentamente adentra teu quarto...
Se despe num ritual  quase magico...
Seu corpo cansado, se joga num banho de amor!
Um corpo nu em despudor...
Eu lhe observo, como se observa um deus grego...
E lentamento me achego!
Acompanhando com o olhar os caminhos que a agua percorre.
Queria beijar os lugares por onde ela escorre...
Como desejo ser a agua que desliza sobre você!
Queria beber de ti cada gosto...
Tocar em você , cavalgar no teu dorso...
Me saciar de desejos, de gostos, sensações e beijos.
Queria te-lo em minhas mãos.
E quando inebriados de tanto desejo e paixão.
Nos tornarmos um, unidos por boca , corpo e tesão.

Sandra Botelho

segunda-feira, 4 de janeiro de 2010

Em vão

Como flor em dia de verão, Debaixo de sol escaldante, Assim eu me senti no coração, Um amor que doía, um amor amante. Hoje gotas de chuva caem, E minhas dores aos poucos saem. Começo novamente a desabrochar, E graças a chuva, volto a respirar. Todas as minhas forças eu usei. Inúmeras palavras de amor pronunciei. Me derramei em paixão e dedicação. E só recebi desprezo e indecisão. Fui inconveniente como são os apaixonados, Esperando somente uma palavra de esperança. Abandonaria o mundo para te encontrar. Mas você não quis, não pode me amar. Hoje começa um novo ano, E agora decidi mudar meus planos. Quero caminhar por outros lugares, Navegar sozinha em outros mares. Não pense que já te esqueci Um amor como esse não se esquece assim. Mas como nuvem que vai se dissolvendo, Aos poucos sei que irei te esquecendo. Somente quero lhe deixar uma certeza. E quero que a leve por toda eternidade. Ninguém nesta vida o amou como eu o amei, Ninguém se deu a ti por inteiro ,como eu me dei. Estou cansada e esgotada de lutar. Não queria desistir, mas não tenho opção. Vou abandonar a paixão e voltar a razão, E ela me diz pra desistir, parar de sonhar. Estou a procura de um abrigo, Do calor de um coração, de um amigo. Preciso de um ombro pra chorar, Todas as magoas que ainda me restar. E depois que tudo acabar,passar, Quem sabe um dia eu volte a amar, Alguém que me queira de verdade, e que por mim esteja disposto a lutar. Sandra Botelho!

Meu sereno amor

Meu pequeno pedação de sonho! Me leva pra passear? Por ai em qualquer canto, onde o sol me descanse do calor... Me lembra...