sábado, 31 de outubro de 2009

Perfidia

Por navegar por vários cantos... Acabei por me perder em seus encantos, Mergulhei em algo irreal e fantasioso. Me deixei levar por um amor mentiroso! Não quero ser a inspiração de ninguém... Quero um lugar em seu coração, Quero ser o amor inesquecivel! Mesmo que distante e inacessível. Não choro pela dor do fim, Amores sempre vem e vão. Choro por ter me feito refém, de uma doce e perigosa paixão. Me entreguei sem pudores nem medos, Hoje me arrependo da entrega total. Me entreguei a um anjo sem asas, Um daqueles anjos do mal! Mas o melhor da vida real, É que ela leva embora todo mal... E o tempo traz de volta o amor perfeito. O amor guardado aqui em meu peito. Sandra Botelho!

sexta-feira, 30 de outubro de 2009

Um lugar chamado saudade

Moro em um lugar chamado saudade... Fica lá atrás das montanhas! Lá onde a vista não alcança, Onde o vento canta e dança... Um lugar que me faz voltar a infância Tem um pequeno riacho, de águas cristalinas, Águas que refletem meu pensamento apaixonado. lembranças da felicidade de um dia ter lhe encontrado Quando amanhece, o sol nasce tímido... E vai clareando a grama verde o chão umido, Verde como as folhas que caem ao som do vento. Folhas que levam embora minha dor, meu desalento... Um lugar salpicado de flores, flores de todas as cores, flores que você me mandou naquele dia de amor. Um dia em que tudo estava cheio de cor! Lá moram alguns passarinhos, que se aninham em seus cantinhos, e fazem belas canções com sons de carinho! É um lugar pequenino ,lá mora um menino,cheio de mimo! Um menino homem que eu aprendi a amar, um gentil cavalheiro que me faz sonhar... As nuvens bailam como dançarinas no céu, e as pequenas abelhas por todo canto despejam seu mel. O mesmo mel que lambuzou nossos beijos de desejo! Neste lugar de fantasias vivi minhas maiores alegrias. E no teu colo fui criança, e meu coração foi só esperança, Lá temos uma casinha pequenina, destas parecidas com brincadeiras de menina! Tem lindas flores na janela e uma morena menina a esperar por um amor... um amor que a envolva em seu terno e doce calor! Vede !Ele está vindo sorrindo, e eu espero por ele me abrindo, Me abrindo em pétalas de amor, em entrega, em paixão, em doçura e devassidão. Quero morar pra sempre lá, longe da maldade , da falsidade... Morar em nosso lugar chamado Saudade! Sandra Botelho!

quinta-feira, 29 de outubro de 2009

Vingança

Embaraçada e nua, me olho no espelho, posso ver meu amor refletido nele, me espanto ao ver meu olho vermelho, E então me pergunto, que amor era aquele? Sento em minha cama e me lembro, Um dia você me disse que me amava, Em meio aos lençóis se declarou, Fizemos amor e o tempo não passava! Hoje eu peço perdão ao meu pobre coração, Por ter me entregado a um amor sem solução, Que de fantasias e puro ardor, hoje é somente dor! Houve dias em que era luz, era o meu doce calor! Amanha vou acordar e espero não mais recordar, De um amor bandido, que já deveria ter ido... Ido para bem longe, longe de mim e de meu coração. Partido antes que pudesse me tirar a razão. Saciarei esta saudade, com outra maldade. Farei um outro alguém se apaixonar... Com a intenção de logo após lhe abandonar. Minha vingança, só não será perfeita, Se eu também me apaixonar. Sandra Botelho!

segunda-feira, 26 de outubro de 2009

Despedida

Quando é para se dizer adeus, O coração vira gelo e a emoção chama, Qualquer adeus é carregado de emoção. Mas nada doí mais que o adeus da paixão! Dizer adeus a quem se ama, Deixa tudo dolorido e a alma inflama. Palavras faltam pra expressar... O quanto é triste o adeus de amar! E quando é sem motivo algum, Deixa louco qualquer um. Faz de qualquer mulher pequenina. Derramar lágrimas de menina! Adeus amor estou te deixando... Siga a vida assim amando! Tendo a muitas por amante, Guarde-me em seu coração errante. Um dia quando tudo sereno for, Nos encontraremos pelo caminho. Talvez possamos resgatar nosso amor. E transformar a dor em um doce carinho! Sandra Botelho!

domingo, 25 de outubro de 2009

Inebriante

É tarde, e o som doce da noite embala um amor que se inicia... Meu corpo se aquece com cada toque seu, Absolutamente envolvida em fantasias sinto o cheiro inebriante de tua pele! Viajo em delírios com o roçar de tua boca por cada pequena parte de meu corpo tremulo. E mergulho inteira em suspiros e gemidos... Sinto o desejo me queimar a pele como brasa acesa, è leve e ardente teu toque, teu corpo quente. Nossos corpos mergulham em uma viagem de desejos, sem censura nem pudores somos um, Nos entregamos a uma paixão doce e absurdamente abnegada. Me diz palavras desconexas, sua voz rouca de desejo, me enlouquece! Lhe envolvo com minhas pernas em um medo irreal que saia de mim... Que este prazer não tenha fim é o que desejo. Suas mãos me acariciam, em pontos que me deixam entre a lucidez e a loucura. Alucinada me perco entre o real e o irreal, e me entrego inteira, Nosso suor é como um elixir, deslizamos um sobre o outro,escorregando nossos corpos em posições sutras e expondo-nos inteiramente... E nessa sofreguidão de desejos, somos gente ,somos bicho, somos cio. Retardamos o gozo que teima em explodir, queremos mais... E nesse intervalo de loucuras somos só caricias e delicias. Até que o corpo não se contem e todo o ritual de toques e misturas se reiniciam. E exaustos nos entregamos derrotados pelo gozo insano de dois amantes, absolutamente jogados sem ar nem forças , mas intensamente saciados. E o sono vem... E envolvidos em caricias e beijos, adormecemos em um descanso merecido e doce. O sono dos amantes! Sandra Botelho!

sexta-feira, 23 de outubro de 2009

Revolta!

Me dá medo a arrogância dos poderosos. O engano dos mentirosos. Me assusta a desesperança dos réus. A revolta do que há nos céus. Me tira o sono a dor da morte. O medo dos que não são fortes. A injustiça impune dos bandidos. E a fraqueza dos vencidos. Me enoja o cinismo de alguns homens. A autoridade abusiva de legisladores. E a impunidade de quem faz horrores. Em nome de causas para lobisomens. É revoltante a dor da humanidade. É dolorosa a fome por pura vaidade. Monstros não são feios na realidade. São charme beleza e pura vaidade . Assim caminha a humana humanidade. A descrença arde em meio a população. Mas todos se fecham em um conchavo de ilusão. Ilusão de que um dia todos terão coração Julgamento deturpado, e cruel. Que destilam lodo e puro fel. Manipulação escancarada e lerda. De uma justiça que se diz cega. Algumas vidas tem que ser sacrificadas Para que milhões possam ter suas vidas resguardadas. Sangue e dor em nome da vida ignorada. Vida e sol para os sobreviventes da jornada. Sandra Botelho! As vezes se faz necessário parar de falar de amor...e falar do que doi em milhões.
Ganhei este selinho da minha querida amiga dona do blog: Tempestade Silenciosa... Ameiiiiiiiii!!! Obrigado querida!!! E a regrinha é: indicar oito blogs para ganhar o selinho e descrever oito caracteristicas suas... Eu sou: Teimosa Ciumenta Romantica Chorona Forte Companheira Leal Apaixonada Blogs que indico: Tempestade Silenciosa Meu Mundo Quadrado A magia da noite Adolfo Payés Poemas Bandeiras Carlos Soares Ensaios Entremeios

terça-feira, 20 de outubro de 2009

Ressurreição

Caminhei por vales e montanhas, deslizei meus pés pelo puro, amei o impuro, desejei o maior... E me apaixonei pelo menor, Fui criança em busca de um sonho, despejei sobre todos enganos e medos. E me afoguei em prantos e lágrimas... Fui mulher , fui menina e simplesmente fui pequena. Me deixei desencaminhar, me deixei arrasar, Rasguei meu peito para retirar velhos amores, e lá no fundo da amargura fiz meu leito. Leito de um rio cristalino, de águas sujas de solidão e dor. Zombei de vários sentimentos e acordei ao relento. Minha vida foi noturna, apaguei todas as luzes e não me deixei despertar. Fiz do meu mundo, manto negro. e de minha vida pranto cego. Fui luz em meio a escuridão, mas me fiz vazia de sonhos e ilusão Fui sol que cega o olhar, mas também fui sonho ao acordar. Transformei em pesadelo, sonhos. Fiz de muitos risos prantos. Em prantos formei risos e em pesadelos sou só sonho. Abri minha alma á um abraço, e neste calor doce acordei de uma vida morna, sem sentido e nem razão. Por mãos quentes fui guiada, por um caminho de flores, fui coroada de amores e meus espinhos eu perdi. Ao luar ouvi uma voz , uma voz doce de falar! Alguém a me mostrar que a noite, não era só escuridão, lá no alto a clarear a iluminar, me mostrou o belo e eterno luar. O luar...Que me trouxe de volta a vida e o desejo de amar! Ressuscitei ao acordar! Agora tenho a luz dos seus olhos, a iluminar meus caminhos, Hoje tenho o calor do teu corpo a aquecer minha vida... Tenho o teu desejo a me acariciar de amor! Hoje tenho vida, hoje tenho paz! Hoje tenho duas mãos a me tocar o coração, a me acariciar a alma... Hoje sou desejo, sou sol, sou calor...Sou toda amor! Sandra Botelho!

segunda-feira, 19 de outubro de 2009

Um conto de fadas

Como em um conto de fadas, aconteceu esta linda história de amor que irei contar-lhes.Eu que havia dito no poema anterior que não acreditava em contos de fadas, venho aqui lhes contar um conto da vida real. Tudo começou com uma amizade, que nunca foi vista por ninguém como um possível amor, mas será que existe realmente um amor impossível? Duas criaturas maravilhosas, que se não tivesse certeza absoluta que são humanos eu diria que são anjos materializados... Porque nunca vi tanta luz em dois rostos, nunca vi tanto amor, tanta vida. Bom voltando ao conto de fadas, conforme eu havia dito, eles eram apenas amigos e esta amizade foi crescendo com a intensidade de uma onda do mar, que vai recolhendo agua e se tornando forte e forte e cada vez maior. Esta bela amizade foi tomando outros rumos no coração de ambos, mas se privavam de falar, porque tinham medo que aquela amizade tão linda fosse de alguma forma violada. Um dia algo terrível aconteceu, como até os anjos, as vezes são abatidos, ela foi abatida por uma criatura do mal. Levou um tiro certeiro no peito. Ficou entre a vida e a morte. Ele Ulisses, ficou desesperado, seu amor não podia ir embora, não... Isso seria terrível..Como ele poderia viver sem ela, sem nem ao menos dizer a ela o quanto a amava?. Como um louco ele correu ao encontro de Melina, queria ficar com ela, cuidar dela, estar ao seu lado, revelar seu amor. E foi o que ele fez, correu ao hospital, e quando viu seu amor naquele estado, não saiu mais de perto dela. Amanheceu e anoiteceu e ele estava ali, sofrendo com a dor de sua menina.Queria poder arrancar com as mãos toda aquela dor, e olhava aquele rosto e seu amor era cada vez mais latente e ele sentia vontade de gritar ao mundo o quanto desejava que ela o ouvisse. E quando ela abriu seus olhos tão lindos e tão sofridos, ela ouviu o que tanto esperava. "Jamais sairei de perto de você, eu te amo." Ali começava uma linda história de amor. Ela se recuperou bem graças a Deus. E tudo voltou ao normal, com o carinho e os cuidados dele tudo ficou mais fácil, o amor deles foi como balsamo que tudo cura. Amadureceram este amor, com muito respeito, ternura e atenção. Um dia decidiram que este amor já era grande demais para ficarem separados, a distancia por menor que fosse era grande demais pra eles. Foram morar juntos, dividir a mesma casa, os mesmos gostos, a mesma vida o mesmo tempo, as mesmas comidinhas, e até os mesmos gatinhos... Quem olhava para eles via a felicidade materializada. Quando seus olhos se encontravam, eles dividiam carinho e isso contagiava quem estivesse por perto. Ele é uma criatura doce e tranquila, inteligente e raro. Ela alguém que soube tirar dos acontecimentos duros da vida, uma lição. E soube aprender com a dor. Se já era linda, tornou-se mais ainda, porque a partir da dor sua beleza se multiplicou...E hoje ela só distribui carinho e amor. Uma criatura desenhada a mão, linda de olhar e maravilhosa de se conviver.Um anjo! Porem, somente dividir a mesma casa já não cabia naquele amor imenso e infinito... Decidiram se casar, e tudo fluiu, para que as coisas fossem perfeitas e foram. Um casamento, um conto de fadas... Os dois transpiravam amor... Seus olhos eram de um brilho que iluminava todos os rostos, os olhos de Melina tinham uma chama acesa e ao mesmo tempo uma paz, que envolvia tudo.Cativava todos. Foi lindo, perfeito, doce... Maravilhoso! Cada detalhe, cada canção, cada flor, cada pequena coisa tinha o toque de Midas, tinha o dedo de Deus. Que Deus abençoe esse amor, que ele seja sempre luz, que seja eterno... Amo vocês! E agradeço a Deus por ser sua madrinha, madrinha de um amor verdadeiro, e de duas criaturas celestiais. Sei que não soube contar como deveria essa linda história, mas não pude me conter, não pude deixar de dar aos outros um pouquinho deste conto de fadas. De dividir com um mundo tão sombrio, esta luz verdadeira e bela. Talvez muitos estejam buscando este amor. E este conto seja uma forma de ajudá-los a encontrar. E que o amor destes dois seres iluminados se propague e entre em cada coração carente, em cada boca sedenta de um beijo de amor, em cada casa, em cada lar, em cada vida. E então... Tudo será harmonia, tudo será paz, tudo será vida. O mundo será uma grande canção de amor! Sandra Botelho!

domingo, 18 de outubro de 2009

Farsa

Um dia sonhei um grande amor, Que só existiu em minha mente, Foi uma farsa covarde e demente, Falso e doloroso alarde, De um coração carente! Pensei viver um conto de fadas, Não me lembrei que não existem, São apenas histórias de crianças, Só alimentam falsas esperanças Hoje desperto de minha fantasia, Faço de minha vida minha alegria, Corro ao encontro de algo real, Me alimentando do que é normal. E meu coração segue contente. Cantando a vida a quatro cantos! Deixando que tudo seja encanto... E nunca mais serei dor e pranto. Sandra Botelho!

quarta-feira, 14 de outubro de 2009

Viagem

Meus queridos estarei fora por uns dias, vou amadrinhar( será que existe essa palavra?) dois queridos, e conhecer Londrina. Espero contar com suas visitas e comentários que eu tanto amo. Beijos no coração de todos vocês.

terça-feira, 13 de outubro de 2009

De mim para mim mesma...

As vezes sentimos pena de nós mesmos, porque alguma coisa não saiu como queríamos.
Deixamos velhas dores nos atordoar o coração, e essas dores nos tornam reféns de nossa própria tristeza. Enquanto deveríamos deixar as coisas no seu devido lugar. Dores passadas no passado, Chorar, eternamente por algo que já foi resolvido ou não, nos torna imerecedores da vida, que gira para que possamos seguir, mudar... E é tão bela a metamorfose da vida!
A auto piedade, nos faz ter medo de sermos felizes. Devemos deixar de sentir pena de nós mesmos, não somos inferiores a ninguém, nem temos menos capacidade, nem somos mais feios, nem mais pobres. Estes são rótulos que colocamos em nós mesmos, e por causa desses rótulos , nos fechamos e não vivemos o que de melhor a vida nos oferece.
Se somos gente , temos defeitos, qualidades ,virtudes, erros e acertos.
O fato de sermos cada um diferente do outro nos faz especiais, cada um a sua maneira.
Deixamos de comprar a roupa tão sonhada, porque achamos que não temos altura adequada e ficamos por muito tempo, desejando aquela roupa.
Não convidamos aquela garota para sair, porque achamos que ela nunca iria aceitar. E ficamos pensando nela a vida toda.
Não nos entregamos de cabeça a uma paixão, porque julgamos que ela nunca daria certo. Seguimos apaixonados e solitários.
Nos apiedamos de nós mesmos o tempo todo.
Todas as vezes que desistimos de algo sem ao menos lutar, estamos assumindo que somos fracassados.
Estamos sempre nos protegendo de um possível sofrimento, e quem garante que sofreríamos, será que não seria a nossa maior oportunidade de felicidade?
Como saber sem tentar?
Quem disse que não temos que sofrer se é através do sofrimento que crescemos, que aprendemos lições valiosas. Receber um não . Nunca deve nos fazer desistir, Frases positivas também começam com um não. Por exemplo. Não desista dos seus sonhos...
Então da próxima vez que você desejar muito alguma coisa, nunca tenha medo de tentar, tente.
Se por acaso não der certo, recomece, é de recomeços que a vida é feita, e são esses recomeços que fazem a vida valer a pena.
Recomece cada manha com a esperança de que o dia será lindo.
Coma seu pãozinho na padaria, como se fosse aquele feito pela vovó.
Vista sua roupa para trabalhar, como se fosse aquela que você viu na vitrina a ainda não deu pra comprar.
Diga bom dia ao seu vizinho, aquela pessoa que passa por você todos os dias na rua e você nem a percebe.
Sorria para seu amigo, seu patrão, seus colegas.
O sorriso é um bálsamo benigno, ele destrava corações, ele desarma uma cara amarrada, faz bem pra quem recebe e não custa nada pra quem dá.
Sofrimentos acontecerão em sua vida e não serão poucos, mas não se prenda a eles, deixe que saiam pela mesma porta pela qual entraram, não se torne refém da dor, talvez o preço do resgate possa ser sua própria vida.
Então sem auto piedade,mas com vontade de viver e de ser feliz!
Um grande amor, para ser grande tem que ser difícil, enfim nada que é bom é fácil.
Podemos esperar finais felizes, sim podemos, mas até mesmo nos contos de fada, á muito sofrimento e luta antes do fim
Tudo que desejamos e que pode nos levar a felicidade, é difícil, exige luta e batalha.
Não se retire do campo de batalha antes de iniciada a guerra. Você poderia ser o vitorioso.
Então chega de covardia, chega de auto piedade.
Sandra Botelho

domingo, 11 de outubro de 2009

Você foi atriz(or)

Voce foi atriz (or)

Eduardo Costa

Vou tentar te esquecer Mas não vou prometer Vai ser difícil Sei que vai doer Um grande amor não se acaba assim

Vou chorar milhões de lágrimas de solidão Será que o tempo vai poder secar Essa enchente de paixão

Nas minhas orações eu sempre pedi pra encontrar Alguém de verdade que eu pudesse amar Tento entender porque foi embora Eu sempre fiz o impossível pra te ver feliz Eu experiente e você aprendiz Te dei tanto amor, usou e jogou fora

Vai saudade que eu não te quero aqui Que a solidão se vai se você sair Já que não quer voltar Quero ser feliz Eu fui tão verdadeiro(a) e você atriz(or) Eduardo Costa Sem inspiração...

sábado, 10 de outubro de 2009

Retornando a mim...

Hoje o céu esta azul,azul de todas as cores! Talvez seja a promessa de dias melhores! O som dos pássaros é somente alegria, E tudo está mais bonito neste dia! Corri ao jardim em busca de mim... E eu estava ali sorrindo! Brincando com pequenas pedrinhas... Colhendo lindas e delicadas fantasias! Hoje o meu sorriso é quase perfeição, Pela janela olho as montanhas, São quase do tamanho da felicidade ... Felicidade que tomou conta do meu coração! Tenho vontade dançar, e danço... Tenho desejo de cantar e canto... Estou feliz, estou sorrindo demais! e absolutamente estou em paz.. Tudo agora é uma grande emoção! E eu vou ver desenho na televisão... Me sinto uma criança no meio do povo, Como quem ganhou um brinquedo novo. Meu coração, é somente sol! Canto uma canção em ré bemol... Sou alegria, sou paixão, sou vida Sou sol, sou eu, sem o adeus na partida! Sandra Botelho

sexta-feira, 9 de outubro de 2009

Fantasias

Queria dormir mas não posso, Meus olhos me traem e não se fecham, Minha mente se enche de lembranças... E meu coração de desesperanças... O sono traidor foi embora, O que posso fazer agora? Dividir com a noite a dor da solidão? Ou debruçar-me na janela em busca de outra paixão? Remoendo minhas lembranças, Achei pequenos requicios de minha infância... Onde meus sonhos eram com príncipes e princesas, Onde eu realizava grandes proezas. Esperava da janela de meu castelo, Meu principe doce, puro e belo! Me salvando do cruel dragão, Me envolvendo em uma terna paixão! Peço ao tempo que me devolva a alegria, De poder sonhar com a fantasia... Acreditar que o bem sempre vence o mal. E que a felicidade para mim será real! Sandra Botelho!

quarta-feira, 7 de outubro de 2009

Murmúrios da dor

Fecho a porta dos meus sonhos, Arranco de meu peito qualquer ilusão Perdi a luz dos meus olhos, Arranquei coisas boas de meu coração. Me fiz sombra, me fiz dor, Fiz de minha alma luto, Vesti de negro minha emoção Arranquei com as mãos meu coração! Me perdi em meus caminhos, Desisti de meus carinhos, Sou apenas espectro de mulher, Sou sombra de uma qualquer! Me recolho em amarguras, Me afogo em dor e mágoa Eu me encaixo em qualquer canto. Não sou nada, sou só pranto. Sandra Botelho

domingo, 4 de outubro de 2009

Agonia

Na ânsia louca de um beijo, farejei a dor. Me derramo em caricias, reviro meus pensamentos, onde você habita em todos os momentos, e em um quase enlouquecedor sofrimento; eu mergulho em um sonolento amor. Que faria bem o poeta em rimar com dor neste momento. Eu faço festa pra você desesperada e agonizante. Me derramo em palavras de perdão, fico quase surda com o silencio da sua voz, sempre a me dizer não. A desacreditar da nudez de meus sentimentos , A jogar por terra tudo em forma de sensatez. Que sensatez há no amor? E me tranco em desespero quando o ouvir é mais dolorido. Destronada como simples plebeia de seu mundo... Estou mutilada, nua e destroçada, Quase sinto a leveza da morte, a morte de tudo que é verdadeiro, a morte do infinito. A morte doce e desejada de um espírito ferido e apagado. Essa luz que se apagou, nas fogueiras da vida... Faltaram-lhe brasas! Se no fundo havia o lume sereno e tímido de um brilho quente, foi-se embora junto com o amor da gente. Rasguei minhas roupas e destrocei meu peito rasgando-o em fatias, em pequenas fatias de desespero, e desajeitadamente em soluços de um choro, fecho os olhos em um quase espasmo de desespero e agonia. Você não está, em lugar algum... E meus olhos percorrem todas as brechas de esperança e nada mais é visível. Nem o sorriso doce de uma criança, nem o pequenino oi de um Dom Quixote de La mancha Sandra Botelho

sábado, 3 de outubro de 2009

Ao sol

Sol que ilumina meu dia Que me enche de alegria... Me faça esquecer a dor, Que me causou este amor. Que a dor não me cegue, Mesmo que eu vá embora. Não me deixe perder o amigo, Que é só o que me resta agora! E neste mundo de voltas, Que eu recolha minhas revoltas E que meu coração ainda menina, Possa sentir que a minha sina, É ser feliz e não tristeza... É me entregar a esta vida, É vencer toda essa lida. É poder ter nos olhos certeza! E que o amor me encontre, Que novamente desponte, Nesse coração tão ferido, Um sorriso um abrigo! Sandra Botelho

quinta-feira, 1 de outubro de 2009

Desconfiança

Porque duvidas, mergulhas em desconfiança? Se com você sempre agi como criança, Sempre despejando em tua mão, As minhas dores de uma antiga paixão... Se for ciumes eu entendo, A lidar com isso eu até aprendo, Mas se duvidares do que sinto, E por vezes achares que minto... Então é melhor que eu vá embora, Assim pra ti a paz aflora, E voltas a ser livre, como antes, Terás todas as outras como amantes. Certo que por vezes até tens razão, Pois quis fazer algo sem sentido... Fazer de um querido e doce amigo, O meu grande amor, minha paixão! Este meu erro foi deveras pequeno, Diante de outro bem menos ameno. Mas tudo ao vento eu jogaria, Se não tivesse outrora percebido, Que em mim jamais confiaria. Sandra Botelho

Meu sereno amor

Meu pequeno pedação de sonho! Me leva pra passear? Por ai em qualquer canto, onde o sol me descanse do calor... Me lembra...