sábado, 25 de outubro de 2014

Quase como Icaro


Uma foto no porta retratos meio amarelada
mostra um tempo em que as asas eram mais ágeis
O móvel velho que era do avô
Um pouco de perfume guarda um cheiro de domingo
Uma pitadeira que o cigarro abandonou
Sensações e loucuras de um tempo distante
Ácidos, drogas e rock and roll
Mulheres, muitas mulheres, inocentes
coerentes, loucas indecentes,
Sexo, carência , pouco amor, muita dor!
Vida louca vida , mais que doida
Amigos , do passado , comparsas
Amigos de hoje , amigos leais , nem tanto, sim tanto e quanto!
Os que vem , os que nunca vieram e os que vem todo dia
os que amam, os que nunca amam e os que jamais amarão
O casaco atrás da porta, com o cheiro de óleo
A moto que nem mais liga, desliga se liga!
O velho jipe, o novo, o novo velho e tudo parado
Parapente, parado, o pente sem dente o vento,
vento leste , sudeste o noroeste!
Vento bom, vento ruim, aqui la, lá e aqui!
Não, não importa mais, ventou, passou!
A fala mansa , o andar que cansa, o riso!
Ah o riso! raro riso, riso raro, emoção, canção.
O choro, a toa, bobo, de bobeira, Risos
Ri de si, ri do outro, apenas ri e chora!
O cigarro, quero fumar,...Amor quero fumar!
Dói a perna dói, dói a alma,
Deus...
Meu Deus, assim,não dá!
Dá , dá sim, a vida sempre dá, dá esperança!
Junte as tralhas, junte os cacos, plante tudo
e não haverá final, mas sim recomeço!
Vem amor me de a mão!
Vamos juntos, devagar, por esse caminho que ha de nos levar
Onde a vida planejou.
E na fumaça do cigarro não fumado, flutua no céu um ser alado
Sandra Gonçalves

segunda-feira, 6 de outubro de 2014

Muleka


Me fazes perder o sono , o prumo
e me deixas assim, quase sem rumo
Brincas com meus medos, desejos
e que vontade louca de beijos!

Tu és meu homem desejado
Meu menino muito amado
Consegues me levar as alturas
e de saudade me torturas

Quero sempre tua voz rouca
tuas mãos a tirar minha roupa
meu corpo geme por tuas caricias
e me enlouqueces dizendo delicias

De onde veio esse homem menino
Estavas escrito em meu destino?
Porque só agora chegastes?
E em mim tudo mudastes!

De moral e principios nem falo mais
Isso tudo esqueço em suspiros  e ais
Quero -te em mim alma e coração
Me completando de amor 
Ou me enloquecendo de paixão

Quando estou em teus braços
Me sinto menina, pequena..
Quero estreitar nossos laços
Em seus braços toda dor é amena!

Mas quando teu corpo me inflama
Ai me entrego a devassidão
sou tua devassa profana
Que te quer comigo na cama

Amo-te amor meu 
Desejo-te com sofreguidão
Meu corpo é todo teu
É teu tambem teu meu coração!

Sandra Gonçalves



sábado, 4 de outubro de 2014

Suavidade


Baila suavemente la fora o vento !
Canta...
 Leva ao balé da folhas e flores ...
docemente  balança as aguas da baia!
E as arvores não resistem ao  som que embala a vida,
e se deixam levar... Sus raizes se afrouxam e bailam!
 Há o perfume das flores que teimam em deixar suas pétalas levarem a cor ao dia pálido.
Dedilho suave de olhos fechados o som da vida...E é lindo...Suave Como o gosto de amor!
 Com gosto de fazer amor!
Em uma cama de estrelas o vento acaricia a pele que arrepiada se entrega a volupia da natureza!
Beleza... Suspiros e gozo!
Majestosas as montanhas choram por não se moverem, e mesmo assim dançam acompanhando os passos do mato, das pequenas flores...Há o encanto,  o breve encanto que o vento traz...Traz o riso, traz o pranto...A paz!
E na sinfonia do vento, notas soltas, sustenidos, bemóis, acordes conexos , compostos pelo Criador.
Ah...O vento...neste momento, seca a lagrima que teimava em cair , balança meus cabelos, refresca de vida meus sonhos...O piano viajante, que vai pra todos os cantos! O vento !
Toca a dama, o vagabundo...Toca o mundo!
E em cada nota que me encanta, da dor a vida, o vento me levanta!
Ouça!
 Há la fora o som do vento...Momento! Vou la fora dançar!
Sandra Gonçalves

Meu sereno amor

Meu pequeno pedação de sonho! Me leva pra passear? Por ai em qualquer canto, onde o sol me descanse do calor... Me lembra...