segunda-feira, 28 de junho de 2010

Era uma vez um pé de Jambo...

Um dia alguém entrou em minha vida, veio sorrindo assim como sempre está! Me trouxe frases abertas e palavras francas. Me ensinou que a vida não é um conto de fadas, mas que nunca devemos deixar de sonhar e correr atrás de nossos sonhos...Pois sem eles a vida é sem luz e sem calor.
Com um sopro quente de vida, ela me acordou e me trouxe novamente a vontade de lutar.
E agora neste momento da minha vida em que começo a correr atrás dos meus sonhos, ela está comigo, me estendendo as mãos, me levando pelas mãos...Sem a força que ela me dá, como uma mola propulsora não sei se teria começado a trilhar o caminho a tanto esquecido, de meus sonhos.
E além de tudo, ainda me deu de presente este lindo poema.
Só me resta lhe dizer minha amiga, as únicas e mais sinceras palavras que se pode dizer a alguém tão especial como você:
Eu te amo!
♥♥♥
ERA UMA VEZ UM PÉ DE JAMBO
Era uma vez um pé de jambo.
Quando era bem pequenino,
Deu uma flor toda enfeitada.
Mas,a terra perdeu sua força,
E o levaram pra um outro lugar.
O pé de jambo cresceu tímido,
Franzino, não sentia-se em casa,
Porém, sua flor continuou ali,
Quase teimosa, desafiando o sol,
Pois acreditava na chuva,
Bebia sua água pra não morrer.
Um dia plantaram um pé de cacau ao seu lado,
Já grandinho e formoso.
A flor de jambo se apaixonou
O cacau logo floresceu também,
Desse amor nasceram frutos lindos.
A fruta de jambo era morena,
mas,seu sabor era de um doce chocolate.
O cacau era avermelhado e
se achava tão bonito que se jogou no mundo,
queria ser ouvido por sua voz tão encantadora.
A flor de jambo mesmo solitária cuidou dos seus frutos.
Em nome da família ali ficou e se desenvolveu.
Depois de muitos anos já em companhia do seu cacau novamente,
Resolveu conhecer o mundo também;
Dar um novo rumo a sua vida,
já que suas raízes estavam firmes e crescera
sempre florida com aroma de chocolate.
Essas coisas não se explicam!
Haveria inquietação ,sonhos a realizar,
sede de aprender e crescer mais entre as árvores?
Há quem diga que viu um jambeiro florido exalando alegria,
Repleto de frutas plantado em uma faculdade.

sábado, 26 de junho de 2010

Metamorfose



Hoje substitui a dor pela alegria
Por um sorriso ,mesmo que amarelo,
Que no final acaba por ser sincero.
E não dá rugas, nem alergia...

Decidi substituir o som do choro
Pela musica, que alegra, que encanta
Que faz flutuar, faz viajar...
Sem nem precisar sair do lugar

As musicas um anjo me mandou
E com elas fiz um colar
Pendurei no meu coração
Tirei dele a dor e fiz canção

Substitui a lágrima pela chuva fria
Que sobre meu corpo molhava e caia
Lavando de mim toda e qualquer saudade
Trazendo de volta a felicidade

Substitui teu rosto por uma tela
Uma tela pintada de primavera
Decorei cada traço dela
Para sonhar com uma aquarela

Substitui toda melancolia,
Por uma nova e linda poesia!
A dor por um novo amor,
O clamor pela alegria!

Hoje voltei a ser felicidade!
A caminhar por caminhos floridos,
Deixar de lado olhares sentidos,
E  voltar a ser luz,  ser claridade!

Hoje eu voltei a acreditar no amor,
Em um amor que não mais rimará com dor!
Que seja cúmplice e amigo...
Hoje rasguei as cartas de um amor antigo...

Sandra Botelho

quarta-feira, 23 de junho de 2010

Insanidade

Que a minha loucura seja tão solidamente estabelecida, que eu a possa usar como escudo contra a realidade.
Que ela possa absorver minha insanidade a luz de meus sonhos,
que me faça divagar em pesadelos mórbidos e insaciáveis.
Que a minha loucura sádica não me faça perder a sensibilidade a ponto de sangrar de dor.
Que ela seja tola e fútil, como turbilhões de emoções adolescentes.
Que minha loucura me livre da solidão de uma cama grande e vazia,
que eu a possa abraçar quando o corpo frio e sozinho não fechar os olhos em um sono doce e tranquilo
Enlouquecer devagar sem tropeçar na insanidade , sem fazer dela uma pedra com rachaduras ao olhar.
Que eu enlouqueça devagar até amanhecer, e que o sol quente como o meu coração, derreta o gelo da lucidez.
Que a minha loucura não me deixe gritar de dor, quando a solidão e a tristeza forem tão grandes, que me levem ao pedestal da revolta e do horror.
Enlouquecer de forma santa e devastadora, sem tirar os pés da realidade dura e anormal, mais anormal que a própria loucura.
Que eu possa ter alucinações , que eu possa ver vultos, mas que sejam vultos de vida e não de morte.
Que a minha loucura não seja violenta, mas seja flor em dia de outono , aquelas que aparecem prematuras e só nos encantam.
Que toda a minha dor seja puro pranto , seja um pranto melódico e dolorosamente frio e surdo
Que divagar seja a melhor forma de fugir, que enlouquecer seja a única maneira de sorrir.
Que a minha loucura me deixe forte, e me leve pela mão a caminhos nunca andados e que eu possa gargalhar como uma insana feliz
Que todos os dias eu enlouqueça um pouco, e que essa loucura, não me deixe tão absolutamente só.
Quero a loucura dos insanos, sua loucura é minha alegria , minha comunhão e bênção.
Quero a companhia dos malucos que sentam em calçadas e cantam, e nos olhos trazem paz.
Quero a minha loucura alicerçada na realidade de um outro mundo. Eu quero poder dormir e dormir e acordar quando o sol raiar.
Não quero o corpo dolorido de insónia e pensamentos.
Eu quero a minha insanidade, presente nos sonhos e não na realidade.
Eu o quero em forma de devolução por todo tempo acordada, uma loucura que me faça adormecer e por muitos anos não acordar.
Quero a minha loucura em forma de beijos pela manha, ou de afagos ao anoitecer.
não quero a carência vazia de noites e dias, mas a vida cheia e completamente alucinada de enlouquecer acompanhada.
Eu quero a loucura das ondas, que levam mais que trazem de volta a espumante loucura do mar.
Vou deitar e dormir, se meu corpo permitir, se minha alma enlouquecer, prometo devolver a insanidade a quem me presentear com o sono doce e tranquilo dos normais, dos que sentem normais.
Eu quero a paz.
Quero o sono completo e não o fatiado dos insones, quero dormir...
Que toda humanidade, possa ser testemunha de uma loucura doce, e viva e morta, e sem preceitos de ontem ou de hoje, mas com a certeza do amanha.
Eu quero poder enlouquecer mais ainda com o toque de um insano a me matar de prazer, sentindo que é só o que preciso,para esperar dormindo o próximo amanhecer.
Sandra Botelho

terça-feira, 22 de junho de 2010

A busca

A noite era sombria e amedrontadora.
Mas ela estava decidida a vencer seus medos, então se embrenhou mata adentro, correndo entre árvores que pareciam querer devorá-la a cada passo... A noite fazia com que parecessem monstros imensos e apavorantes!
Ela corria sentindo o vento morno aquecer seu corpo gelado de pânico. No céu nenhuma estrela veio clarear seu caminho, até a lua que sempre iluminava seus passos , não veio ao seu encontro aquela noite.
Mas ela resgatou forças e correu, queria chegar a algum lugar, não sabia onde, mas uma voz dentro dela lhe envolvia e gritava em seus ouvidos para que seguisse.
Sentia um medo brutal, mas balançava a cabeça na ânsia de que aqueles pensamentos se espalhassem pelo vento e não a torturassem mais e se agarrava em sua gana de ir adiante.
A noite parecia menos escura a medida que seguia...As arvores já não eram tão amedrontadoras, e quando lentamente ergueu os olhos pode avistar uma pequenina estrela sorrindo para ela...
Os passos se tornaram mais lentos, não era mais necessário correr. Agora o chão não lhe prendia mais os passos, pisava sobre uma grama macia e leve.
Prosseguiu e longe pode avistar uma luz, tão fraca, que quase não se podia ver. Forçou os olhos e sorrindo percebeu que sua caminhada estava chegando ao fim.
Mas mesmo assim acelerou o passo, a noite estava se findando, já sentia o cheiro doce do amanhecer, a brisa leve e perfumada, a tocar seu rosto molhado pelas lágrimas esboçando um breve sorriso.
No céu a estrela pequenina deu lugar a um raio tímido de sol.Aquecendo seu corpo umidecido pelo sereno.
Pôde ver mais a frente que não havia mais aquela luz que lhe servia de farol.
E se desesperou...E agora para onde ir,se não havia mais a luz a lhe indicar o caminho?
Foi ai que percebeu que o sol havia se levantado por inteiro, e lhe queimava o corpo e lhe aquecia o coração.
Viu então que não havia nenhuma luz a seguir, que ela escolheria o caminho e que este caminho seria o sol...
Que a busca terminara...E finalmente... Era LIVRE!
Sandra Botelho

sábado, 19 de junho de 2010

Cativeiro

Que voz é essa que me fala de tão longe?
Que me leva sem me pegar pelas mãos.
Que as vezes me sufoca de pavor,
Por vezes me enche de horror...
Que voz é essa que me faz perdida de dor?
Que me acalenta com afagos de amor,
Me deixa incendiada de desejo,
Mas certamente me nega um simples beijo!
Que voz é essa que me aprisiona no que é correto?
Não me deixa ser o que é desejo ou incerto...
Que voz é essa que me desencaminha dos trilhos da loucura,
e me aprisiona em rituais de tortura?
Por onde andam os gritos de alegria ?
Ou os sussurros e devaneios que tinha...
Quem tirou do meu peito minhas fantasias?
Enegreceu minhas noites e dias...
Porque a menina se enterrou?
Em que desgraça ela se plantou?
Por quais sentimentos seu corpo se enveredou?
E nunca mais seu horizonte descortinou!
Porque as horas passam tão lentas?
E as lágrimas rolam mais atentas...
Morrendo em uma boca que sorria,
Mas hoje se distorce em melancolia!
Que voz é essa cruel e mentirosa...
Que um dia me prometeu rosas,
E hoje se cala diante de minha agonia...
Que voz é essa que me roubou toda alegria?
Sandra Botelho

quinta-feira, 17 de junho de 2010

Duplamente Querer-te





Quero me aninhar em seus braços...
Acariciar-te decorando teus traços!
Quero mergulhar em teus sonhos,
Descortinar este teu olhar tristonho!

Quero passar o dia a te falar...
Contar-te coisas sem nenhuma importância,
Desnudar-me lentamente dessa louca ânsia!
De me entregar em teus braços e te amar.

Quero acordar de manhã e te ver...
Poder beijar-te para lhe acordar.
Contar-te que ao dormir sorrias,
Te ouvir que sonhavas e me vias!

Quero poder contigo fazer amor.
Provar o gosto doce do teu suor!
Sentir tua boca em cada parte de mim...
E me inebriar com teu cheiro jasmim.

Quero amolecer teu coração.
Fazer dele morada da nossa paixão.
E nessa gula de amor e felicidade,
Quero ser presença e jamais saudade...

E quando tudo isso for realidade...
Caminharemos juntos ao entardecer!
Paralisados diante da imensa beleza,
De um amor que jamais irá fenecer!

Sandra Botelho



                                                      Tem homenagem no Gotinhas...Visitem.:

terça-feira, 15 de junho de 2010

Mulher


Eu sou o presente, sou a realidade, eu sou a vaidade!
Eu sou a cereja que enfeita o bolo. Eu sou a festa!
Eu sou da janela a fresta que traz o raio de sol. Eu sou o sol!
Eu sou os primeiros passos de um bebe a caminhar.Eu sou o inicio!
Eu sou dos passos do idoso o findar. Eu sou o fim!
Eu sou a agua a molhar matas e vales . Eu sou o rio!
Eu sou a aguia faminta em busca da presa. Eu sou a presa!
Eu sou a brisa do mar, que refresca noites quentes de verão.Eu sou o calor!
Eu sou o corpo suado depois de amar, sou o despertar.Eu sou desejo!
Eu sou a crença no mundo. Eu sou o mundo!
Eu sou o poema, eu sou o tema, eu sou o mar...Sou o sonhar!
Eu sou tudo que respira, sou a beleza que inspira.Eu sou a pintura!
Eu sou o medo, sou o fracasso, eu sou o laço.Sou a derrota!
Sou a doença , sou a convalecença, eu sou a cura.Sou a vitória!
Sou o deslizar de aguas sobre as pedras. Eu sou a pedra!
Eu sou o inverno, eu sou o verão, eu sou a paixão. Eu sou o tesão!
Eu sou o tagarelar, sou o fofocar, sou o cochicho, e o buchicho.Sou a noticia!
Sou o segredo guardado a sete chaves.Eu sou a chave!
Eu sou a irreverencia , sou a intolerancia, eu sou a miséria e a bonança.Sou a justiça!
Eu sou a vida, bem vivida, bem resolvida...Sou a conquista!
Eu sou tudo isso em muitas bocas...Sou como muitas loucas!
Sou mais que isso em outras linguas. Sou desconhecida...
Eu sou do amor o risco, sou dos olhos o feitiço...
Da boca o veneno e da noite o sereno.
Sou a tempestade e o chuvisco, sou a ventania e a brisa.
Não me enxergue como me vê, sou o que você não crê.
Não me julgue pelo que digo, arranque de meu coração a verdade,
Sou a imaginação que te invade, o sonho do qual não quer acordar...
Sou o amar...
Sou o desejo mais secreto, sou mulher, sou fêmea, não objeto...
Estou em sua mão. Se conseguir domar meu coração...
Sou mulher!

Sandra Botelho!

sábado, 12 de junho de 2010

Ao meu amor!

Vem meu amor... Me dê as mãos, deixa que lhe entregue todos os segredos do meu coração.
Nele eu guardei todos os meus sentires, todos os meus sonhos e alegrias ...
Pegue... são todos seus, Venha vou te entregar...
Segure com suavidade para não os quebrar.Veja...!
Primeiro lhe entrego o meu maior sonho, tem seu retrato enquanto me olhava... Sonhei quando te conheci !
Tem também você me dizendo o quanto me achava bonita..Isso foi um pouco depois, em uma daquelas noites Depois que nos falamos e nos beijamos e você se foi...
Agora pegue com bastante delicadeza, porque esse é o dia em que percebi que estava realmente apaixonada.
O dia em que vi o quanto você era maravilhoso e sensível e apaixonante!
Eu te peço meu amor, guarde tudo o que estou lhe entregando dentro do seu coração.
Espere!
Divida comigo...Assim, a metade fica no seu e a outra no meu, e quando estivermos juntos, seremos um só sentimento...
Mas ainda não acabou...
Quero que fique com o que há de mais importante em mim...
Quero que fique com todo o meu amor, este eu não quero dividido, e não vou lhe dar pela metade.
Este, eu lhe dou por inteiro, cada gotinha, cada partícula, e te peço, me dê também todo o amor que há em seu coração.
Vamos destruir a distancia, vamos aniquilar qualquer desencontro, vamos ser somente o que o amor nos permitir...
E que ele seja maravilhoso, e que seja liberdade, seja delicadeza, respeito, sinceridade e coragem.
Coragem para retirar do nosso caminho, qualquer pedra, ou montanha...
Coragem para que o peso dos dias não nos deixe fatigados, para que o amor sempre seja somado e nunca subtraído.
Vem meu grande amor...me deite em seus braços e me ame, com todo desejo a tanto tempo guardado e somado...Vamos dividir... Porque é assim que o amor aumenta!
Te amo!
Sandra Botelho!

sexta-feira, 11 de junho de 2010

Copa do Mundo

Um novo espetáculo vai começar,  e neste espetáculo, não cabem preconceitos, discriminações,nem políticas, nem raciais, nem econômicas.
Neste espetáculo a raça tem todas as cores, os idiomas são transformados em uma só língua. 
Os povos se unem em um só objetivo,  fazer do maior espetáculo da terra,  o Maior, o mais bonito, o mais justo, o mais emocionante...
Nestes dias a terra para, o mundo se cala, todos os olhos se viram para um só ângulo, um só ponto...
A emoção toma conta de todos, desde o Ufa! quase entrou essa bola... Até o grito tão esperado de Gooool
Não se discute qual pais é o maior, mas qual time se empenhou mais...
Não se discute a divida dos países, mas o saldo de gols dos times...
Não se discute o índice de violência de cada pais, mas as faltas cometidas
E punidas... ou as vezes não...
E nesse espetáculo somos a platéia, que aplaude, que grita, que vibra, que chora...
O espetáculo das emoções misturadas, cantadas em cada hino, em cada grito, em cada chute, em cada lance, em cada passe, em cada falta, em cada pênalti, em cada gol.
Onde a atriz principal gira como a própria terra, e não poderia ser diferente, ela gira e com ela todas as nossas emoções todos os povos unidos em um só lugar
Mesmo que somente um  pais leve o premio maior desse espetáculo. Todos os outros povos sairão campeões...
Terão adquirido  bens tão preciosos ou mais preciosos, que a taça tão desejada.
Verão que todos são iguais quando se unem em um só objetivo. Terão caminhado lado a lado, como guerreiros do bem! Verão o quanto é fácil irmãos viverem juntos e unidos. Abandonarão preconceitos,
tão arraigados em alguns corações e mentes
Cantarão juntos, estarão debaixo do mesmo céu, pisando a mesma abençoada terra  e estarão vibrando em uma só sintonia.
E o espetáculo chamado Copa do Mundo também poderá ser chamado de Copa da União,da Confraternização, da Compreensão ,da Empatia e da Paz!
Como diria Fiori Giglioti "Abrem-se as cortinas e começa o espetaculo."

Sandra Botelho

terça-feira, 8 de junho de 2010

Debruçada em solidão

foto google
Debruçada em meus sonhos ,
fiz-me velas de uma embarcação.
Desprezei minhas cadeias
e me aprisionei em teu coração!
Debruçada em minha alma,
Me desenhei em traços etéreos,
tirei dos olhos o sono da alegria,
e pintei de negro minha fantasia.
Debruçada em meu coração,
arranquei de meus sentidos a intuição...
Fiz do véu negro que cobria meus olhos.
a chuva fria que congela o mar,
um jeito errado de amar...
Debruçada em teus olhos,
olhei dentro de teu corpo,
vi um leme sem marujo,
desse mar do qual eu fujo.
Sou uma embarcação a deriva,
do teu amor me fiz cativa.
Fiz do vento meu escravo,
dei-lhe as coordenadas a seguir,
mas ele desobediente ...
Não trouxe você para mim...
Vivendo nos porões do navio,
Eu busco um facho de luz,
que arranque de meu coração,
esse triste e negro capuz.
E nesse mar que é calmaria,
ou as vezes tempestade,
Redescobri minha verdade...
Sou pirata do destino, roubei de mim a alegria,
Guardei no meu baú, meus desejos e fantasias,
plantei nas ondas de minha vida,
Uma canção de despedida!
Sandra Botelho!

sexta-feira, 4 de junho de 2010

Borboleta amarela

Borboleta amarela, o que te faz tão bela?
O que me encanta em ti é tua cor de aquarela...
Onde vive o teu pequenino coração?
Por que pousaste em minha mão?
Ah borboleta amarela,! voavas em torno de mim...
E eu tão boba sorria pra ti, como se fosse criança
A ver nas assas da borboleta amarela,
Toda minha cantada esperança...
Lembra borboleta amarela quando,
Eu ainda menina, lá nos campos de minha terra...
Corria sozinha e tão feliz sorria...
Atrás da borboleta que eu via?
Ah! cá estou eu a ser boba novamente...
Como pode você borboleta amarela,
Lembrar-se de tão distantes poentes?
Se vives o breve tempo de uma camelia?
Mas viestes hoje em minha janela.
Me fazer invejar-te por seres tão bela!
Mas não te invejo por este cabal motivo...
Mesmo sabendo que mais que ti vivo!
Invejo-te borboleta amarela,
Por teres nas asas a liberdade,
Enquanto entre grades estou em cela,
Voas sem medo no escuro ou na claridade!
Vai borboleta amarela,
Vai encantar outra moça tristonha!
Outra mulher que ainda sonha...
Vai pousar em outra janela!
Sandra Botelho!
P.S.
E era manhã e ela veio e pousou na minha mão...
E eu fiquei encantada com a borboleta amarela,
que dos céus a mim foi mandada.
Talvez para alegrar meu coração.
E isso aconteceu!

quinta-feira, 3 de junho de 2010

Despudor

Nosso corpo será nossa perdição.
Nos uniremos em um manto de tentação!
Liberarei meus instintos suavemente selvagens,
E rolarei contigo por entre ramos, folhas e folhagens!
Entre suspiros e mordidas seremos veneno,
Famintos de amor, nos alimentaremos de nós.
Com minhas garras afiadas, desatarei teus nós.
Deitados ao clarão da lua, banhados pelo sereno...
Minha boca será minha maior arma,
Arma que nenhuma força desarma.
Minhas mãos serão sua perdição,
E com elas te farei perder a razão.
Como feras sem cuidados nem ternura,
Seremos somente carne e prazer.
Não poderei ver teus olhos na noite escura.
Mas as profundezas do teu corpo, irei conhecer!
Rígidos e entregues a essa loucura deliciosa,
Voltaremos a ser gente e me ofertarás uma rosa.
Com ela desenharei tua boca, em desejo,
E te roubarei um doce e ardente beijo.
Enquanto te beijo, te mordo e te aperto,
Sem me importar se é errado ou certo.
No chão, no mato, quero voltar a rolar
E dessa vez sem pensar em amar.
Como feras em um cio absoluto,
Sem sentimentos, nem envolvimentos.
Seremos somente desejo e paixão.
E que desta vez, em minha vida,
Fiquem de fora os sentimentos do coração!
Sandra Botelho!

terça-feira, 1 de junho de 2010

Vem ser meu...

Quero amar-te todo dia,
Dar a ti meu corpo e mente
Ser para ti um vicio ardente
Que te queima como agua quente!

Quero derramar-me em tuas mãos,
Deixar que me molde como barro de oleiro...
Faça do teu coração meu cativeiro.
Você é tudo que eu mais quero paixão!

Venha ser meu leve sonho...
Me encantar com teu sorriso,
Despejar em mim toda delicadeza,
De um amor que é só beleza!

Você chegou junto com a primavera.
Me fez alguém bem melhor do que eu era.
Plantou em minha vida a felicidade.
Agora quero viver esse amor de verdade!

Veja amor ,sou tua diante da luz da lua.
Estou aqui no seu jardim, nua na rua.
Venha decifrar meus mais secretos desejos!
Seja meu manto me envolvendo em teus beijos!

Te espero por toda a eternidade...
Pois é o tempo que esse amor vai durar,
Venha me fazer felicidade
Estarei aqui sempre...A te esperar...

Sandra Botelho!



Meu sereno amor

Meu pequeno pedação de sonho! Me leva pra passear? Por ai em qualquer canto, onde o sol me descanse do calor... Me lembra...