segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

Quando a dor é infinita...


Canto um canto triste, embrulhado em notas dissonantes,
canto a ave carmim sem pouso, nem arredor sem asas...
Sou manto de vaidade entorpecida, pária e fútil...
Minha alma está em grades , em cárcere,
Sou pequena mostra de sangue apodrecido!
Sou vazio enaltecido de desejos suicidas.
Plantei meu sorriso em terra estéril,
da terra brotaram espinhos e abrolhos...
feriram tuas mãos, seu sangue regou a terra.
Dela brotaram flores da noite, negras e sem vida.
reguei as flores com lágrimas...
Fiz da noite minha morada, oculta por um olhar gélido.
Das flores negras fiz meu manto, e seu perfume meu veneno
Hoje me cubro de pó, o puro pó do temor e do ódio.
Faço dos dias o peso das horas, que meu ombro encurva
dos minutos eternidade imutável, que me fadiga e adoece,
Hoje sou escravidão de lágrimas, nelas me afogo e delas me alimento.
 Sou espectro de quem foi luz e sorrisos.
Fiz um colar de dores, pendurei em  minhas paredes,
Dele mágoas escorreram, e o quarto ficou negro.
banhado de tanta insanidade , enlouqueci.
Insuportável peso do coração, onde escondi toda mágoa
insalubre agua de dor e devastação...Um corpo insano...
Comigo  carrego a sentença do meu algoz, 
Viver na penumbra da solidão,no vácuo da alma
Decapitar meus sonhos , sorrisos e paixão,
Morrer embrulhada em manto negro...
Apagar do céu as estrelas, e nunca mais ver o sol raiar
Viciar-me em solidão, derrapar nas estradas da decepção.
e neste caos, nunca mais derramar por ai, sorrisos que não são meus
ser espinhos, venenos, drogas viciantes ser simplesmente dor eterna e infinita.
E rogar a vida que seja passageira em mim...Implorar rapidamente o fim.!

Sandra Botelho

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

Não me inveje...Aprenda a ser como sou!

Se me odeias mande isso escrito em palavras assinadas
Se queres o que é meu trave uma batalha  declarada
Se me censuras, grite ao meu coração 
Posso ouvir-te e dar-te razão
Se me invejas, que tal tentar seguir meus passos?
Pois o vento apaga todos  os rastros...
Se minha luz ofusca tua visão, 
Feche os olhos ,tente me ver com os olhos do coração
Se me achas assim tão bonita, ainda não conhece minha alma
Para me entender é necessário me ler com calma
Se queres me ofender não perca seu tempo
Todas as palavras duras, eu devolvo ao vento
Se me achas leviana, perdida ou insana,
Tente perguntar a quem me ama
Se meu coração é voador, ele voa por amor
Se meu corpo se perde em fantasias e beijos
É porque ele vive do mais puro desejo
Se me escreves palavras tão duras,e cheia de amargura
Talvez somente o amor possa ser tua cura
Mas  por seres tão mal amada e frustrada
Talvez tenhas semeado somente espinhos em sua estrada.
O covarde se esconde nas palavras com sombra
Assim como o machado que fere a arvore que tomba.

Sandra Botelho





Quer saber a diferença entre mulherão e mulherzinha?
Clique AQUI

quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

Pequenos cuidados de amor


Em meus braços ele adormece...
Pego-o em meu calor ,
e em meus seios se aquece,
leal e doce este amor!


Seus sonhos posso ouvir,
posso tocar seus pensamentos...
Um breve sorriso ao dormir,
afogado em sentimentos!

Debruça sobre mim toda sua dor,
em caricias, cubro-lhe de amor!
Um amor terno e cuidadoso,
Merecido e generoso!


Nesse instante o homem se faz menino,
recolhe minhas mãos, com carência!
Deixa clara sua dependência,
de um cuidado , de um mimo.


Assim em meus braços, o aconchego...
Um pouco do muito do apego.
Um pouco de tudo do que eu sou,
acolhendo a dor que ainda lhe restou!


Seu olhar a me encarar,
pede o que eu puder lhe dar...
Meu amor, meu calor , meu abraço,
Para amenizar a dor...o cansaço!


E se eu lhe digo ,
sem ao menos vacilar,
 que o meu amor,sempre vou lhe dar,
fecha os olhos  sorri e dorme ,
 Sussurrando: "Como  é bom te amar"


Sandra Botelho




Visitem o Mulheres
Tem Elaine Barnes em Amor Pueiril

sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

Desnuda



Algo em mim definha ...Talvez a menina que acreditava no amor infinito!
Talvez a mulher que não quis jamais crescer,
e de repente se depara com vincos pequenos no coração.
Velo  minha alma e choro todas as minhas antigas lágrimas,
Retiro vagarosamente o véu que transmuta meu corpo,
Que me faz ave, sem um céu para alçar voo...
Sou calice de desilusão, pequenos fragmentos de um poema
que cantava sonoridades de amor, de paixão, de sonhos...
Hoje pretendo me despir, jogar fora vestes que
cobriam um corpo que não era o meu, um corpo ateu...
Hoje vou escolher meus pensamentos.
Vou sair na rua deixando pelo caminho tudo o que causa dor,desilusão, angustia e raiva
Hoje renascerei em algum lugar, em algum coração, em algum olhar...
E quando passarem por mim, e me olharem cantando sozinha...
Hão de pensar consigo mesmo.
É felicidade ou loucura.?
Ouvindo seus pensamentos...
Eu  responderei cantando:   É liberdade!


Sandra Botelho



quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

Confissão de um Narcizista

Amadissimos, não sou narcizista, longe de mim...
 bem que queria ser um pouco.
O texto é para aqueles que são.
E temos muitos destes entre nós.
Bjokas

sábado, 15 de janeiro de 2011

Do mesmo barro...


Somos feitos do mesmo molde!
Desenhados por mãos de um insensato...
Somos atores coadjuvantes,
juntos em todos os atos!
Somos agua do mesmo rio,
animais no mesmo cio.
Somos véspera da esperança,
Quase vestígios de quem foi criança...
Somos passos na mesma calçada,
companheiros em todas as jornadas!
Somos inconseqüentes, irresponsáveis.
Voamos nos braços do desejo,
somos o doce sabor do beijo!
Somos loucura e amor,
somos o perfume doce da flor!
Ternura, carinho e ardência,
somos luxúria e saliência!
Você me ensina todas as canções...
Eu te enlouqueço com todas as sensações!
Somos a plenitude, sem virtude, sem pudor
somos amor , desejo, gula e ardor!
Sandra Botelho


CARINHO NÃO ENGORDA
Visitem...
tem um cadinho de eu lá.


quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

Queria tanto amar você!


Como eu queria te amar ...
Com a intensidade que me amas,
como queria deitar-te meu coração,
e ser sua namorada, sua paixão!

Deixar de lado o medo e a solidão,
ser menos realista e mais sonhadora...
Como queria chamar-te... Meu amado!
Poder dormir e acordar ao teu lado.
Beijar devagarinho teu sorriso...
Umidecer de ternura teus lábios finos,
acariciar seu olhar  menino.
Me entregar , a esse amor impreciso!
Ser criança nos seus braços,
sucumbir aos seus abraços!
Dividir com ternura nossos beijos,
e ser tua em amor e desejos!
Voar nas asas do incerto...
Fazer oásis qualquer deserto!
Rasgar véus de amargura,
desvarios , medos e loucura!
Mas o coração é desleal,
penso que seja as vezes mal!
Me faz amar um amor funesto 
uma dor a qual me presto...
Mas não me deixa amar você!
Sandra Botelho

domingo, 9 de janeiro de 2011

Sem amarras, sem medo!


Quero você bem perto...
Teu coração em minha mão,
Quero te enlouquecer de paixão!
Quero te tirar deste deserto.

Deixa eu amar você,te mimar?
Deixa eu te mostrar o quanto é bom ser amado?
Deixa eu te fazer um homem apaixonado?
Deixa eu te levar comigo, te cuidar?

Deixa eu me jogar em seus braços?
Te livrar desses laços, desses medos?
Deixa eu saciar teus todos desejos?
Vem me amar sem embaraços...

Deixa o medo em um canto,
Sucumba aos meus encantos...
Vem dormir em meus braços!
Acordar em meus abraços!

O tempo passa tão rapido,
E ficamos parados no caminho...
Um tempo que poderia ser aproveitado,
Por dois amantes em seu ninho!

Vem meu amor, sem temor nem medo;
Vem pra eu te fazer felicidade!
Seremos dois em um só coração.
E encheremos o mundo com nossa paixão!

Sandra Botelho!

quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

Ah! O amor...

Ah... O amor...
 cantado em verso e prosa
deliciosamente em rosa,
em vermelho, em cores quentes
em sensações ardentes...

Ah... O amor,
Que nos deixa de bobeira,
flutuando sem gravitação,
escancarando o coração!

Ah... O amor!
Rima-lo-ia com dor
não existe rima certa
o amor é o amor...

Ah... O amor
Essa coisa doida,
que chega sem pedir licença,
causando angustia intensa!

Ah... O amor!
Que os céus digam amem,
que ele seja só felicidade,
para os que amam de verdade!

Ah...O amor!
Tão pluralmente definido,
liberado ou proibido,
porem jamais esquecido!

Ah... O amor!
eterno ou breve,
casto ou indecente,
quero amar de corpo e mente!

Ah... O amor!
esquecido por uns,
inesquecivel em outros,
mortal para alguns!

Quero uma rosa prá te dar,
quero um coração prá acariciar,
Quero o amor a me matar ,
um corpo doce a saciar!

Quero amar até morrer...
Mesmo que em meu coração
exista aquele amor,
que se chama solidão!

Sandra Botelho


Tem homenagem no Gotinhas e dessa vez a sensualidade está por lá.

segunda-feira, 3 de janeiro de 2011

É assim que fazemos amor...


Ah...como é doce teu gosto...
como é macio teu corpo, e que cheiro bom tem nosso ninho!
Como é bom, se,derrama vinho em mim, me meleca de chantily, e sorve com gula e sede...
Embalados em um amor louco, devaneios não nos faltam, somos dois bichos em um cio umido, em busca do prazer total.
Ah...como é bom abrir-me pra teu corpo, ser tua intensamente, enrolar-me em teus membros, aninhar-me em teus braços, e suspirar por ti, cada vez que tuas mãos safadas e sem limites desenham meu corpo em traços fortes e cada vez mais perfeitos.
Tua língua quente, saliente, me fazendo gemer de prazer,levitar...
sem censura... é assim que fazemos amor.
Quantos gritos desnorteados, e lábios cerrados, esse desejo enlouquece, umidece e explode em mil fantasias, quase todas realizadas, sem pudor, nem dor, nem traumas, é assim que fazemos amor...Como um vicio, maravilhoso...
Enquanto nos queimamos no calor de uma cama em brasa, a mente cria asas, e o corpo vira fogueira a ferver o sangue de dois amantes.
Quando o gozo é iminente, as mãos se acalmam, a boca se aquieta com um beijo de amor, e tudo se torna morno e delicioso, para atrasar o gozo, pois ainda queremos muito mais.Queremos muitos gemidos e ais, não de dor, mas de prazer muito prazer...
E aos poucos nossos corpos teimosos, se envolvem de novo e basta um beijo caliente, para que tudo se esquente e recomeçamos a insanidade do desejo. Novamente todos os toques são fortes e todos os beijos nos deixam sem fôlego...É assim que fazemos amor.
Me beija o corpo todo e lhe devolvo todos os beijos em todos os pontos que sei que desejas.
Conheço teu corpo de olhos fechados ,e sei onde estão cicatrizes e pintas e todas as suas marcas. Posso desenha-lo em minha mente, posso fazer amor mesmo distante... como um pintor a expor sua obra em detalhes perfeitos.
E seu olhar safado, sem medidas ,se insinua sem palavras ,eu adivinho tudo o que teu corpo quer, tudo que teu desejo implora, e me dou inteira nessa hora...É assim que fazemos amor...
E a explosão acontece, é êxtase, é paz, é delírio,é vida, é amor, é gana, é cama, é mais que desejo, é tudo...é pleno.
E então me ofereces o ombro e um chamego nos cabelos, depois de olhar em meus olhos e serenamente dizer que me ama, que sou a mais bela, a mais gostosa, a mais desejada e que me amaria até morrer...
Se a morte me visse em uma dessas horas, duvido que ela em sua crueldade e frieza, conseguisse tirar-me dos seus braços, neste instante...seria covarde e invejosa, disso tenho certeza.
Ah...Quero essa loucura impregnada em mim, esse gozo insano, esse amor mundano, quero você...
Eu te amo.
Então o sono merecido, vem ao encontro de dois amantes esgotados, porem felizes e intensamente apaixonados, satisfeitos,
E dormimos embaraçados pernas e braços e boca e coração...
É assim que fazemos amor.
É assim que somos paixão.

Sandra Bottelho

Meu sereno amor

Meu pequeno pedação de sonho! Me leva pra passear? Por ai em qualquer canto, onde o sol me descanse do calor... Me lembra...