quarta-feira, 30 de março de 2011

Ai que sardade das Minas Gerais...

Me mudei  cá pra São Paulo pra ganhá  um trocadim,
memo sabeno que a vida aqui é agitadim.
Mas eu num to gostanu não ,desse lado movimentado...
Todo dia  tem cidente, tem carro rebentado.
Os carro que era pra andá ,toda hora tá parado.
Mió i de a pé memo, economizá uns trocado!
Credo !Aqui as pessoa é estressada.
A mué xinga a outra, de vagabunda e amalucada!
Ninguem cuida dos  idoso. É tudim disrespeitoso.
Vixi maria !Óia só! Tem lixo jogado na rua,
as pessoa num respeita nem a porta da casa sua!
Aqui o céu num é azul, agente num ve as estrela.
Pra gente ve o sol ,tem que chuvê e lavá a pueira.
Ninguem fala com ninguem... Nem bom dia se dá.
E se agente dá um sorriso, os óio deles é de matá!
Tem um trem danado de grande, nem apetece amuntá,
vive lotado o danado e o povo a se empurrá...
Nos onibus é correria, um empurra empurra todo dia.
Ai meu Deus do Céu que loucura! Isso é quase uma clausura!
Outro dia acustumada a vivê no interior,
 pedi ao trocadô do onibus pra me fazê um favô.
Me deixá numa esquina ,de uma rua tar e tar...
O danado de mardade, viu que eu não era da capitar,
me enganou o farsante, me deixou no endereço errado, 
andei ki nem  uma errante...
Tomei chuva a noite, toda sem chegar no meu destino...
Mas Deus á de fazê justiça com o cobrador cretino!
Eu to desacossoada de morá na capitar...
Um povo male educado, que faz as coisa do mar...
Outro dia um bandido, matou duas mocinha,
sem nenhum motivo fez isso, tirou a vida de duas anjinha!
E isso me dói o coração, perco a paz e a razão.
Já falei pro meu fio tomá cuidado, pra ele num ser assartado.
Craro que aqui tem gente boa, iguar em quarqué lugá.
Mas eu mineirinha da boa, to querendo saí da capitar.
Quero ver o céu azul, as estrelas lá no arto,
quero ver as montanhas da janela do meu quarto!
Buscá o pão na padaria e sorri pra dona Maria
Perguntá como foi a noite dela e  receber um sorriso banguela!
Porque lá no interior as pessoas é mais sincera...
Agente pode lavá a roupa e deixá no varar, 
sabendo que a noite ninguem vem nus robá.
No interior num tem essas coisa de grade pra todo lado,
lá nóis dexa tudo aberto e dorme um sono largado.
 Agente faz oração e aos pais pede a benção.
E isso, faz a criança e tambem  o rapagão.
Agente leva  a quitanda pru vizinhu isperimentá.
E ele divide cum nóis o porco que acabô de matá.
lá agente divide as tristeza e as risada que dá.
Tumá banho de cachoera, andar discarço na ribanceira...
Robá fruta no quintar da vizinha e correr atrás das galinha
Fazer frango com quiabo angu e feijão massado,
comer com gosto o mexido , feito de arroz manhecido!
E vivê na simpricidade, mas numa terra tranquila e sem nenhuma mardade...
Podê andá na rua sem medo de bandido,
Porque lá nóis é tudo amigo.
Ai que sardades das Minas Gerais!
Por isso que dizem por ai:
"Quem te conhece num esquece jamais!"

Sandra Botelho

domingo, 27 de março de 2011

Por onde ela anda?


Onde se escondeu a paz?  
Porque se foi, porque partiu? 
Será que se cansou da gente? 
Ou será que não ama, não sente? 
Porque abandonou o mundo? 
O deixou assim imundo? 
Afogado em dor e pranto,
em agonia e desencanto.
Porque partiu sem avisar? 
Sem ao menos se despedir? 
Deixando crianças chorando,
deixando um mundo agonizando!
Onde estará ela agora? 
foi-se embora pra algum canto.
Para um lugar desconhecido,
em um mundo esquecido.
Crianças morrem de saudade, 
adultos sofrem de verdade!
O mundo clama sua volta.
Rogamos por sua piedade! Volta ... 
Trás de volta dias claros. 
Abraços e sorrisos raros,
Venha nos unir novamente! 
Tirar do mundo a dor que sente! 
Ainda não é tarde demais, 
ainda dá pra voltar atrás! 
Vem nos devolver a vida, 
que você levou na partida. 
O sangue corre pela terra... 
Canhões destroçam na guerra,
Homens se matam sem piedade .
A fome mata, sacrifica,por vaidade...
Junto com você o amor se foi, 
te acompanhando foi também a alegria,
O riso junto contigo também se ia. 
E a misericórdia a tempos, ninguém mais via. 
A morte agora é forte, gargalha a cada batalha... 
Ceifa vidas inocentes, ri-se da dor da gente. 
Venha, volte, eu te imploro! 
Rogo-te se preciso for! 
Volte paz, volte pro mundo! 
Venha nos aliviar da dor! 

Sandra Botelho



quarta-feira, 23 de março de 2011

Convite para o Primeiro Encontro de Blogueiros "Somos Reais"


Eu Sandra do Blog Meu Aconchego e Elaine Barnes do Blog Nas Asas da Coruja convidamos vocês 
para trazermos agora para o real, todo seu talento, todo seu carisma, todo seu carinho...
Estamos convidando Todos vocês para o  Primeiro Encontro de Blogueiros, Sarau "Somos Reais". Onde vocês poderão expor sua arte,seja sua pintura, musica, poemas, textos ou trabalhos manuais ... 
E onde poderemos nos encontrar e dividir todo esse amor que já dividimos através dos blogs.
Nosso Encontro será na Academia Movimentos.
Tenho absoluta certeza de que será mágico nosso encontro.
E simplesmente inesquecivel.
Conto com a presença de todos vocês.
O dia do encontro: 22-05-2011
Horário : á partir das 14:30 hrs
Endereço completo. Rua do Horto 350 .Zona Norte
Referencia Próximo ao Horto Florestal 
Contato e confirmação de presença  pelos emails:
sandrag959@gmail.com
elainebb08@hotmail.com
* Será cobrada apenas uma taxa de dez reais para petiscos.*
O numero da conta pra depósito da contribuição de 10 reais será mandada ao email dos que confirmarem presença.
*
Amigos nos ajudem a divulgar, levem a imagem e linkem em seus blogs.

domingo, 20 de março de 2011

Um doce banho de amor!

A agua corre pelo corpo nu,
 Sensações abraçam a alma...
 Suspiros , gemidos e espasmos,
 Doces toques a esperar o orgasmo. 
E lentamente corpos se unem, 
Seu desejo mais fatal assumem. 
Fugir das entranhas do desejo, 
É tão impossível quanto fugir do teu beijo. 
Se torna então meu grande algoz. 
E essa sua loucura é doce e feroz.
 A agua morna corre por seios ansiosos.
 Pela pele arrepiada e por lábios desejosos. 
E as mãos são toques indecisos, 
Porem absurdamente precisos.
 No azulejo frio o corpo se esquenta, 
E nessa hora o prazer aumenta. 
Revirando os olhos, ensandecida 
Trêmula nesse frenesi de paixão.
 Tudo se torna somente fogo.
 Que queima o corpo...Alucinação!
 Adentra-me levando-me ao colo.
 Fecha os olhos e então sorri. 
E neste momento de frenesi.
 De puro prazer, agora, eu choro...
 E ao banho então retornamos. 
Depois de um beijo, voltamos,
 Ao ingênuo e suave banho de amor.
 A saciar o corpo e a alma em flor...

 Sandra Botelho

quinta-feira, 17 de março de 2011

Streap tease


Musica quente...
A queimar os ouvidos!
Ancas em movimento,
Mãos excitantes... 
Lingerie cor de fogo...
Pés calçados em fino salto!
Meias enroladas por mãos em carícias,
lentamente...
Pernas expostas!
Seu olhar...Devorando!
Movimentos sensuais,
Danço, te atiço...
Quer tocar? Proibo!
Fujo... Pés que te empurram...
Mãos minhas a me tocar...
Nós se desatam, lingerie ao chão.
Seios se soltam...te aguçam!
Intensa exposição...Explicita!
No ritmo incandescente,
Corpo que se mexe, rebola, contorce,,,
seu olhar, devora...
Nós se desatam, laços se desfazem...
Lingerie ao chão...
A dança exibindo o corpo...
Sem cortes , censuras...explicita,,,
Silencio...Musica que cessa...
Te chamo, ordeno...
Vem!
E a noite se silencia...
Todos os sons se calam, pra ouvir nosso desejo.

Sandra Botelho

segunda-feira, 14 de março de 2011

Covardia


Que seja pequena a dor deste poema...
Mas que seja verdadeira a dor derradeira...
Que as lágrimas que hoje ela chora,
Que o amor que hoje ela implora,
Mesmo que indefinido e sombrio...
Passe breve ;como o rio!
Que essa tristeza não a destrua.
Que ela se esqueça da imagem tua!
Que ela seja condenada a solidão,
Por não ter ouvido o seu coração!
Por covardia ela deixou de sonhar,
Trancou na bagagem o direito de amar!

Sandra Botelho

quinta-feira, 10 de março de 2011

Fragmentos de mim


 Sou a musica que eu canto.
 Entre sorrisos e prantos
 Sou a dança, sensual e mansa ,
Que de olhar nunca se cansa! 
Sou aguia que voa para se esconder,
 me escondo para me refazer
 Eu sou a duvida que te confunde
 Sou corpo que ao teu se funde 
Sou o vento que revira seus cabelos 
Sou a doce sensação de prazer que eriça seus pelos
 Eu sou o sal que salga a vida 
A gostosura de uma doce lambida
 Sou frações de sentimentos
 Mas posso ser plena em meus momentos
 Sou entrega inocente e total
 mas sei me desviar do que é mal 
Vivo e padeço com meu sonhar
 mas me recupero ao acordar 
Gosto de me dar por inteiro
 Renasço a cada Janeiro 
Não sou boa, nem sou má.
 Sou alguém que ainda sabe amar.
 Não me contenho na tristeza
 Choro, diante da dor, do amor e da beleza 
Sou totalmente sentimentos
 Gosto de eternizar os meus momentos 
Eu sou o pensamento mais breve 
Ou aquele pensar a que ninguém se atreve,
 Sou o corpo tremulo de desejo
 Ou a sutil delicadeza de um beijo 
Sou o coração que acelerava 
quando meu amor me esperava
 Eu sou o mistério que está no ar 
Nunca saberei me decifrar 
Enigmas de amor em noite escura 
Sei ser tambem sua cura 
Sou pegadas deixadas na areia 
Tarantula emaranhada em uma teia 
me encontro e volto a me perder
 Sou tudo que a vida me deixa ser
 E quando a paixão fecha o cerco,
 Ai então é que me perco 
Quer me encontrar?
 Estou no vento, no mar... 
Em cada fragmento de amor que ainda restar... 
Pode me ver nos suspiros ou nos sorrisos, 
Se procurar com atenção, 
Posso estar em seu coração!

 Sandra Botelho!

terça-feira, 8 de março de 2011

Coragem

Em comemoração ao dia internacional da mulher nada melhor que um poema feito por um homem...
Chama-se Coragem e é do poeta 
 Machado de Carlos.


Mulher: - desafias o próprio norte; 
Derramas, ao redor, tua energia, 
Fazes da noite o teu próprio dia; 
Circula nas tuas veias o plasma forte.

Dás muito de ti, e, desafias a morte; 
Não ignoras teus momentos de agonia; 
Defendes, rude, tua idiossincrasia, 
Nem te entregas à própria sorte. 

Curvo-me para ti, alma de gigante, 
E sigo os teus passos itinerantes; 
Deus conhece a boa filha que tu és! 

Nasceste para conter o rumor, 
Conheço bem o grau do teu amor; 
Incontinente, beijo os teus pés!... 

Feliz Dia Internacional da Mulher

sábado, 5 de março de 2011

Eu quero um sonho...


Eu quero um sonho! 
Quero um sonho pra sonhar sorrindo...
Eu quero um sonho lindo,
Desses que se sonha dormindo.
Sem nada que o macule...
Nada que pouco perdure!
Me venda um sonho maduro,
mas que nunca deixe de ser puro!
Eu pago qualquer preço,
até minha vida ofereço
Vendo a alma de menina,
mudo de vez minha sina.
Vendo esse sorriso de adereço!
E compro outro por qualquer preço...
Ei! me vende um sonho?
Da cor do céu , com gosto de mel...
Um sonho sem mentiras, 
onde anjos tocam liras!
Um sonho pra dançar, cheio de melodias a me encantar...
Me vende um sonho por favor...
E junto com esse sonho ,me dê de presente um novo amor?

Sandra Botelho

Meu sereno amor

Meu pequeno pedação de sonho! Me leva pra passear? Por ai em qualquer canto, onde o sol me descanse do calor... Me lembra...