quinta-feira, 20 de maio de 2010

Inocência perdida

Era Dezembro...Dias chuvosos...
Em algum canto de uma cidadezinha do interior, dois amigos brincavam , de lados opostos de uma cerca de arame farpado.
De um lado uma mansão, onde o pequeno mulato não ousava entrar, seu dono e pai do amigo era um sargento, gordo, branco ,de bochechas rosadas e cara amarrada.
Daqueles homens que as crianças tremem somente de olhar.
Olhos faiscantes e fuzilantes de maldade. Mas seu filho ainda tinha a inocência das crianças que não fazem divisão de classe, nem de cor.
Sua casa, imponente e majestosa, se destacava entre as outras.
E eles brincavam . Com um bodoque nas mãos faziam guerra de mamona.
E aquele mulatinho paupérrimo, que morava em uma casinha miseravelmente simples, por azar acertou uma mamona no menino rico.
O menino em prantos correu a contar para o pai, que urrou de raiva.Dizendo que ia expulsar aquele negrinho de lá. Não se ouviu uma só palavra do menino rico a favor do amigo,era o que se esperava dele , já que ele sabia que tinha sido apenas uma brincadeira.
Quando sua mãe exausta chegou do trabalho, o malvado sargento já estava a porta a lhe esperar, e não demorou a vomitar toda sua ira.Exigindo aos berros que ela sumisse dali com toda sua família. O desespero tomou conta de sua face, e ela se perguntava em desespero:Para onde vou, com quatro filhos?
Chovia forte , ela entrou em casa e logo despejou sua raiva em cima do menino, o colocando de castigo de joelhos sobre tampinhas de garrafa.Pegou sua filha que estava a um canto chorando de pena do irmão e agarrada a sua única boneca, a qual ela tratava como um tesouro.
Puxou-lhe pelas mãos e saíram as duas a procura de algum lugar para morar, A menina olhava vez por outra nos olhos da mãe e via que as lágrimas se misturavam a chuva que molhava todo seu rosto.
De repente a chuva aumentou muito, e os panos que a menina usava para cobrir sua boneca não suportaram e se encharcaram, a menina desesperada e cheia de ódio por aquele sargento, puxou a mão da mãe e disse: Olha mãe, os cabelos da minha boneca estão encharcados.
A mãe olhou e disse: Estamos encharcadas e você se preocupa com a boneca? Ora deixe-me em paz..
E ela não conseguia tirar os olhos da boneca, cujo cabelo ia se dissolvendo.
E no seu coração, a dor crescia, o ódio pelo sargento também, sentia pena da mãe que batia de porta em porta, pedindo abrigo ou um pequeno comodo que pudesse alugar para morar e abrigar seus filhos, mas sempre a mesma resposta. È véspera de natal estamos comemorando, isso é dia de bater a porta dos outros?
Andaram por toda noite e nada...
Voltaram a casa, o menino já estava dormindo caído sobre as tampinhas...
Ela o olhou sentou-se em um canto e chorou, a expressão em seus olhos era de cansaço, estava cansada de viver...
Não foi necessário que se mudassem, no outro dia a morte a levou.
Foi quando percebi, que naquela noite de véspera de natal, ela pediu a morte
Naquele momento ela havia desistido.
Nunca consegui perdoar aquele sargento. E no meu coração ainda sinto a mesma raiva que senti dele, quando vi minha única boneca se perder com a chuva, quando vi minha mãe desistir de viver. Quando vi meu irmão de castigo.
Foi quando percebi o quão grande era a maldade humana.
E foi assim..E a menina era eu....
Sandra Botelho!

16 comentários:

Luciana Klopper disse...

Sandra, que historia triste...to emocionada!

Daniel Savio disse...

Infelizmente, algumas coisas ruins acontecem na nossa vida e por fim nos tornam uma pessoa melhor, penso que este evento significou para a tua vida.

Ai te pergunto, qual foi o fim deste sargento de coração tão cruel?

Fique com Deus, menina Sandra Botelho.
Um abraço.

Braulio Pereira disse...

vim dar beijos
a voce meu bem...


beijos achocolatados docinhos.....

reltih disse...

hola mujer, cómo estás?
besos y mucho cariños para ti.
te aprecio...

Cris França disse...

Sandra

agora te lendo é que descobri, que quando somos bebês, antes da gente vir nesse mundo tão cruel, sussurram em nosso ouvido todas as dores pelas quais vamos passar, e por isso a gente nasce chorando e depois esquece, na luta por ser feliz.

Palavra de quem ja passou coisas demais...

ALİ EKBER ÇELİK disse...

sandra blog tem sido bastante
o mesmo que você

Henrik disse...

O medo é o começo não só dos preconceitos como da raiva vindoura.
Excelente texto, parabéns, gostei muito.

KINHA disse...

Olá amiga

Lindo!!!!!!!!

Bjo

Tô Ligado disse...

Passando para deixar um mega beijo e desejar um otimo fim de semana!!!

Brunno

Tô Ligado!

legalmente loira... disse...

oi sandra.
desejos de uma linda noite.
vc sumiu total fiquei trstinha mas tudo passa eu também.
bjos com carinho.

pauloveras disse...

Votei. Muito interessante. Dá pra ir vendo cada detalhe dos acontecimentos. Acredito ser essa a verdadeira virtude do escritor. Gostei do seu blog e da sua trama. Abração e bom final de semana.

a magia da noite disse...

a vida às vezes é uma lança que nos trespassa.

Everson Russo disse...

É terrivel pensar que existem pessoas assim no mundo,,,sem Deus,,,sem coração....beijos de otimo final de semana.

Luna Sanchez disse...

Chorei.

...

=**

ℓυηα

Amordemadrugada disse...

Marcas em nossas vidas minha amiga!
a maldade nunca deixará de existir, infelizmente!
Porém, estas tristes experiências, (as vezes) nos ajudam a perceber...A crescer...
Bom fim de semana Sandrita
Beso

Manuela Freitas disse...

Querida e doce Sandra,
Um beijo especial para a menina da boneca encharcada. Que bem que escreves e que historial de sofrimento tens na tua vida!...Depois de tudo tens essa expressão de ternura!...Admiro-te!
O teu blogue está bonito para caramba!...Aqui se respira paixão! Parabéns.
Bom fim-de-semana e muitos beijinhos,
Manú

Meu sereno amor

Meu pequeno pedação de sonho! Me leva pra passear? Por ai em qualquer canto, onde o sol me descanse do calor... Me lembra...