terça-feira, 17 de janeiro de 2012

Funeral

Ah triste sina a dela...
De adormecer num sonho e acordar em prece.
Vida que  sufoca as narinas e a adormece em prantos...
Fatigada de lutas sem vitorias...de amores sem entregas!
Quantos são os mistérios de um amor sem sonhos?
Calado, silenciado,  emudecido ao som da própria voz...
 Surdo aos mais breves apelos...
Silencio de um amor em dor!
Há na pele a morte dos sentidos .
E na boca, o insaciável gosto de fel...
Não ha palavras na noite, 
Apenas o funeral do mais puro amor.
E cala-se a vida...Morre a paz
Em profunda cova, enterra-se  a alma.
Lá fora, o cortejo em lagrimas 
Marcha fúnebre do amor... 
Em sepulcro caiado de desilusão!
E a chuva cai em gotas acidas de solidão!

Sandra Botelho


25 comentários:

(CARLOS - MENINO BEIJA - FLOR) disse...

Poema triste é esse, Sandra.

angela disse...

Tão duro enterrar um amor.
beijos

Christian V. Louis disse...

Poema triste, Sandra.
Em verdade, eu penso que um amor assim não seja amor. Ok, quem sou eu para julgar o que seja ou não um amor se nunca amei de verdade, somente me apaixonei. E talvez, por haver me apaixonado que saiba distinguir um pouco que o que está descrito no poema seja paixão.
O amor, em minha opinião, o de verdade deve ser correspondido sempre para ser chamado como tal.
Gostei muito da trilha sonora do blogue.
Parabéns, poetizando muito bem como sempre.

Dhebora Hevelin disse...

Triste!
porém tem a essência da pureza de um sentimento verdadeiro..
Lindo demais

beijoos querida

Rosemildo Sales Furtado disse...

Olá Sandra! Passando para apreciar mais uma das tuas belas criações , assim como, agradecer a honrosa visita e o gentil comentário deixado lá no nosso humilde espaço.

Estamos retornando às atividades, com a esperança de continuarmos merecendo o teu valioso apoio, um dos principais esteios de sustentação do nosso Arte & Emoções.

Beijos,

Furtado.

Sueli disse...

O amor é como a fenix: ele morre, mas renasce, amiga (e com plumagem nova). As lágrimas de tristeza pelo fim, transformam-se em lágrimas de alegria no renascimento. Um beijo grandão!

El Drac disse...

Quando eu venho para o seu blog, minha boca está molhando, observando seu peito mais doces do que chocolate

Espero ter traduzido bem!beijos

ॐ Shirley ॐ disse...

Lúgubre, porém,lindíssimo. Beijo de luz!!!

Fatima disse...

Só vc pra falar assim!!!
Bjs.

José disse...

Em principio não gosto de funerais, e de enterrar o amor ainda muito menos, há coisas que é bom enterrar, as raízes de uma planta, alguém que faz muito mal à sociedade, as sementes.

Estás triste?
beijinho,
José.

Machado de Carlos disse...

Páginas amareladas de poesia aquecem. Elas se transformam numa viagem que derruba muralhas da solidão. E quando a chuva grita lá fora com relâmpagos que clareiam a noite; urge viver, uma vez que cada verso vem como uma usina de luz.
Pois é; surge o raiar de uma nova aurora!

Manuel disse...

O titulo é um pouco tétrico, mas a poesia é linda.
Tantos sentimentos, tanta solidão.

ELAINE disse...

Interessantíssimo! Estou te seguindo!Agradeceria se pudesse me seguir de volta! Uma 5ªF iluminada e repleta de bênçãos! Abraço fraterno e carinhoso!
Elaine Averbuch Neves
http://elaine-dedentroprafora.blogspot.com/

Everson Russo disse...

O poema traz muita tristeza e muita dor,,,mas desses momentos o coração tem o poder de se reerguer e voltar a sonhar como antes...basta ele acreditar...beijos de bom dia.

Astroterapia Junguiana disse...

Oi amiguinha, nossa tô de molho desde sábado, peguei uma gripe, não saí de casa até agora, hoje estou bem melhor. E vc?
Espero que esteja recebendo meus emails? Bjs Fique bem, Cy

ELAINE disse...

O teu blog é intenso e profundo! Obrigada pela visita e pelo carinho!A amizade não tem preço! Volte sempre viu! Abraço fraterno e carinhoso!
Elaine Averbuch Neves
http://elaine-dedentroprafora.blogspot.com/

ALUISIO CAVALCANTE JR disse...

Querida amiga

Nada a comentar.

Mas sempre há
algo de uma beleza rara,
nas palavras tristes...


Que cada dia deste novo ano,
seja em tua vida,
um dia de reencontro.

ReltiH ReltiH disse...

MUY PROFUNDA MELANCOLÍA!!!
BESOS

Regina Rozenbaum disse...

Triste, sentido demais,mas belo!
Beijuuss n.a.

Severa Cabral(escritora) disse...

Saudadesssssssssssssssss amiga!
Cadê vc minha querida...estou aqui para deixar meu apreço...poetar lindo!
bjsssssssssssss

Cissa Romeu disse...

Sandra,
chuvas ácidas de desilusão,
que comemoram o fim de tudo,
o funeral do mais sublime,
sob nossa testemunha...

Sandra, vim conhecer seus poemas e também te agradecer pelas palavras lá no blog do Jorge Pimenta, a respeito da parceria que fiz com ele. Muito obrigada!

Por aqui fico, e te convido se quiseres conhecer o meu blog.

Grande beijo!

edumanes disse...

Sem funeral ao amor,
Com boas intenções aqui estou
Afastando as lágrimas e a dor
Lembrando do tempo que passou!

Esquecendo a solidão,
Aproximando do amor
Trago um jarro com água na mão
Para regar uma linda flor.

Desejo para você, um lindo final de semana.
Um beijo
Eduardo.

Jorge Pimenta disse...

sobre o amor, sempre digo:
há momentos em que temos de aprender a morrer para voltar a nascer...
beijinhos e chocolate, sandra querida!

ELAINE disse...

Dá uma espiada na postagem de amanhã, 22/01, estará iniciando uma campanha...Abraço fraterno e carinhoso!
Elaine Averbuch Neves
http://elaine-dedentroprafora.blogspot.com/

Arnoldo Pimentel disse...

Lindo e triste seu poema, parabéns.Beijos

Meu sereno amor

Meu pequeno pedação de sonho! Me leva pra passear? Por ai em qualquer canto, onde o sol me descanse do calor... Me lembra...