sábado, 30 de maio de 2009

Vidas

Vida errante doente, maldita carente

Vida sem limites maledicentes,

mais que dor mais que pranto

é a vida desenhada em encanto,

Vida sem termos nem receios,

sem carinhos e sem anseios

Indescritível em forma e cor, em saliências de dor,

Vida devedora de muitos, recebedora de poucos

Insaciável de dores repartidas e fatídicas

Vida mãe de poucos,

Madrasta de tantos sem encantos

Inegável mãe de risos, acalentadora de lágrimas,

Constantemente caçada, procurada, devastada

Pronta para ser devorada crua, nua, decente ou de maneira demente

Vida inconstante em um mundo vibrante

A esconder-se da gente,

A desenhar um, sorriso quente

A deixar correr uma lágrima carente

Vida dada a demônios em um lucro desonesto

Ou a anjos com um carinho funesto

Vida, anjo da noite a refletir a luz de poucos.

A gerar inveja em outros,

Vida rara, clara, nublada e desejada.

Prostituta da vida, amante da morte.

Lembrada na volta e esquecida na partida,

Presente de grego,

Rainha sem apego, sem amor, sem horizontes, sem plural

Vida verdadeira e eternamente irreal.

Vida sem vida, vida frágil e forte,

Prisioneira do tempo, escrava da morte.

Sandra Botelho

Um comentário:

Paula disse...

"Escrava da morte...."
Que singela frase, que verdade maldita.
Que autora maravilhosa, que delicadeza insensata. Que polidez genial. Que vontade contida, e libertada por palavras mediamente calculadas, ou apenas gritadas.
Você é genial.

Meu sereno amor

Meu pequeno pedação de sonho! Me leva pra passear? Por ai em qualquer canto, onde o sol me descanse do calor... Me lembra...