terça-feira, 15 de setembro de 2009

Repúdio a dor

Os dias passam lentamente... Pela janela, posso ver que a vida se repete, Nada me compele, nada me convida, Por saber que somente teu carinho me abriga. Queria que estivesse sempre por perto, Que não houvesse momento certo, Que seu perfume me inebriasse... E que a doçura do teu ser me acompanhasse... Sinto-te perto de mim como a um anjo, Quero em suas asas derramar meu riso... Implorar que não me deixes chegar ao pranto. Que sejas em minha vida alegria paz e encanto! E assim em um quase encantamento... Envolver-nos inflamados de emoção, E nunca mais nem se quer pensar, Que um dia fomos solidão! Quero arrancar de seus olhos a tristeza em tua casa, encher de alegria cada canto! Enfeita-lá de flores, lirios e beleza! Juntos repudiar toda dor e pranto. E um dia se a dor teimar em voltar, Aninhados um no outro a nos amar, Só nos restará olhar pra ela com desdém... E dizer que entre nós, não haverá mais Ninguém! Sandra Botelho

2 comentários:

SAULO PRADO disse...

Sinto um toque no coração cada vez que leio os seus versos, são como água de chuva em cima de mim, me lavando de todas as tristezas que vivem em mim...

Como já de disse, e como sempre vou dizer, sou seu fã minha doce poetiza...

Ilaine disse...

Oi, menina linda!

Um poema... enfeitado com "flores, lírios e beleza"... Adorei!

Beijo