quinta-feira, 12 de março de 2009

Sonhos

Estranho como certas coisas do cotidiano que poderiam passar despercebidas, quando olhadas e analisadas com carinho nos dão enormes lições de vida... Preste mais atenção da próxima vez que, como eu, andar pela rua e der de encontro com um rapaz de uns vinte e poucos anos, vestido num terno esfarrapado, sujo, amarrotado. Uma camisa que de tão usada nem cor tinha mais, a não ser a da sujeira. Bom, vou deixar mais claro. Fui ao mercado e voltava pra casa meio amargurada por estar desempregada e depender absolutamente em tudo do meu marido, o que não acontecia a tempos. Meu pensamento voava e estava longe, me perguntando: Porque nada da certo pra mim? Porque não consigo um bom emprego, que me pague o que mereço, para que eu possa fazer pelo menos minhas despesas... Quando ia travessar uma esquina, dei de encontro com o rapaz citado acima,ele falava umas palavras que não consegui entender, empurrava uma bicicleta velha. Uma daquelas figuras que dariam um quadro, uma bela obra de arte. De repente ele olhou pra mim e perguntou: _ Moça me dá um carro, pode ser um fusquinha velho mesmo. Eu então respondi : _Se eu tivesse condições não só te daria um, como compraria um pra mim também. Então ele me olhou assustado, com aqueles olhos limpos, bem brancos típicos da pessoas negras e me disse: _ Mas a senhora não tem carro? _ Não disse-lhe eu,e apontando para meus pés, falei: Meus pés são o meu carro _ Ele sorriu e falou, pode deixar dona, um dia eu vou comprar meu fusquinha , eu prometo que vou, nem que seja um fusquinha velho, e olha vou vir buscar a senhora pra dar uma volta comigo. Eu sorri e disse: _Vai sim, Você vai conseguir o seu fusquinha. Mesmo que no fundo eu tivesse a certeza que não, que ele não conseguiria ter o carro dele, mas eu nunca lhe diria isso, porque talvez tenha sido por ouvir tantas vezes as pessoas me desacreditarem que eu desisti de lutar pelos meus sonhos. Neste dia eu aprendi com aquele homem, ele me ensinou que os sonhos pertencem a todos, que são universais, e que só se tornam reais se os abraçarmos com força, com garra, e lutarmos por eles, aconteça o que acontecer.Também enquanto eu reclamava e me sentia frustrada por tão pouco, ele sorria com a plena certeza que todos os seus sonhos se realizariam. Mais tarde fiquei pensando... Quem sou eu pra achar que ele nunca conseguirá ter o carrinho dele. Ele assim como qualquer um de nós pode ter tudo o que quiser, basta nos despirmos do pessimismo, da covardia, do desanimo. Avante!
Nunca mais permitirei que roubem os meus sonhos!
Sandra Botelho

2 comentários:

Uma Anja... disse...

Não sei não mas acho que ta nascendo aqui uma grande escritora...

Vai ver você não precisa de um emprego e sim de empregar bem seus dons em algo que lhe traga prazer e proporcione 'a outrem o prazer de viajar em teus contos, casos e poesias.
Pense nisso e pare de sonhar com um mundo que não é teu.

Deixe a Sandra viver...

Anônimo disse...

http://www.youtube.com/watch?v=6Wn5fuPIl4Y